Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


3FE37691-FEC3-4F4D-8DD7-32EAA72187AE.png

 

A meritocracia é a melhor forma de progressão. Nos estudos, na profissão, na opinião pública.

Claro que a noção de mérito é muito variável e, até, incompreensível - basta olhar os quadros de honra das escolas e os quadros de honra das estações televisivas, vulgo audiências.

A posição nas listas de classificação parece ser a medida de valor mais usada em Portugal - mesmo, ou principalmente, quando não se conhecem os critérios de avaliação, porque o que interessa é a posição no sagrado ranking. Mas desvio-me da minha questão, não quero falar da perversão* dos rankings e sim da meritocracia.

Estou em crer que apenas os apologistas do compadrio serão contra um sistema que avalie as capacidades e competências de cada um e que premeie os mais competentes, os mais capazes.

Mas a meritocracia tem um grave problema, que fere mortalmente o desígnio de a cada um conforme as suas capacidades: nem todos têm as mesmas oportunidades para desenvolver e apresentar as suas capacidades.

Um aluno bem alimentado numa casa confortável tem condições de estudo e de desenvolvimento muito diferentes das de um aluno numa casa húmida e gelada no Inverno e muito quente no Verão, onde a alimentação pouco varia pois, mais do que obedecer à roda dos alimentos, interessa conseguir ter o que comer todos os dias. Falo do conforto térmico da casa e da diversidade alimentar mas poderia falar da privacidade e da diversidade de oferta cultural, do conforto sonoro e da diversidade das actividades extra-curriculares; falo, na verdade, de tudo isto e do seu reverso, o nada disto.

Talvez que uns pais tenham trabalhado mais do que outros para agora poderem oferecer melhores condições? Talvez sim. Mas pode muito bem acontecer que talvez não, que, apenas, também eles tenham sido criados em casas semelhantes e não tenham conseguido trabalho suficiente.

A criança excepcional que, apesar da casa fria e da alimentação monótona e de tudo o mais que lhe é menos, consegue singrar nos estudos e ser a melhor das melhores é isso mesmo, excepcional. Pelas suas capacidade e determinação, muito acima da média, e pela frequência com que tal acontece.

Das duas, uma: ou apenas consideramos meritórios os esforços da criança que sai da tal casa fria e chega ao quadro de honra, ou teremos de aceitar que a corrida para o mérito arranca viciada logo na partida.

Esqueçamos de onde partiu, essa etapa vencida, e avancemos do quadro de honra para a profissão, pois mesmo que uma pessoa seja muito mais (ou muito menos) do que a sua profissão, se sem outros rendimentos será desta que se alimentará.

Temos a criança já adulta e com estudos concluídos com notas brilhantes, e é hora de a acompanhar no mercado de trabalho. Uma mulher numa empresa privada dificilmente ocupa cargos cimeiros antes dos 40-45. Não será por falta de mérito, até porque é mérito adicional trabalhar com dores e humores menstruais; e ainda mais meritório é trabalhar com o centro de gravidade a deslocar-se a cada dia, com o desconforto do volume e do peso nas pernas na bexiga nas mamas, e as dores e a sensibilidade e a emoção e os enjoos... mas é este um tipo de mérito que atrasa a progressão de uma mulher na profissão*. Este e outros, mais comezinhos mas felizmente cada vez menos frequentes. Já na administração pública torna-se mais fácil, os concursos nacionais não olham ao género. E há as quotas, aquele mecanismo de discriminação positiva sem o qual os homens que decidem continuariam a decidir-se maioritariamente por homens. Não por terem mais competências, mas por não terem os méritos errados.

Peguemos agora no homem saído do quadro de honra, e coloquemo-lo numa sala de futuros empregadores, todos nos seus fatos e charutos, incluindo os homens da sua turma que não saíram do quadro de honra. Todos nos seus fatos excepto ele, que nunca ligou ao que vestia desde que andasse limpo e, de preferência, sem publicidade gratuita a marcas cujas peças pagava. Não se encaixa naquela sala, mesmo que não tenha tatuagens nos braços nus nem brinco nas orelhas lavadas. E isso lhe dizem ainda, que a ausência do charuto ainda passa, mas sem fato... e o homem saído do quadro de honra tem de levar o preconceito às compras de um fato talhado com outro mérito.

 

Este é o problema da meritocracia: se as casas de partida e as casas de chegada não são iguais, não se podem comparar os caminhos. Porque não falamos de pequenas discrepâncias mas de profundas diferenças estruturais e, por isso, estruturantes.

Antes de podermos defender um sistema de mérito, temos de garantir que as oportunidades são semelhantes.

Porque pugnamos por direitos e deveres iguais, é esta regra constitucional que todos os cidadãos desejamos ver cumprida. Mas a sociedade e a lei não marcham no mesmo compasso, a questão do mérito disso sendo prova.

Será ou ingenuidade ou imbecilidade, supor que se pode falar de deveres sem falar de direitos. A inversa não é verdadeira - o adulto a quem hoje exigem os deveres pode ser a mesma criança a quem ontem não garantiram os direitos.

 

 

* há mais perversões. há mais rankings. há muitos critérios.

** artigo de 2019. nada mudou.

imagem: pormenor da escultura em bronze Self made man, de Bobbie Carlyle

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esclarecimento: Human Lives Matters

por Sarin, em 10.06.20

 

O mote Black Lives Matters foi o mais largamente usado nas manifestações que ocorreram nos últimos dias.

No meu postal Manifestações e confinamento III, enquadrado numa sequência de 3 em que analisei manifestações, racismo e confinamento, parti de Black Lives Matters para, em poucas palavras, chegar a Human Lives Matters.

Num comentário, foi-me apontado que estaria a relativizar a importância da mensagem e do movimento Black Lives Matters e, pelo que percebi, a ecoar um mote usado como contraponto às reivindicações deste movimento.

Mortifica-me tal interpretação, agonia-me ser associada a tal tentativa! 

Esclareço que não recordo alguma vez ter ouvido ou lido tal frase, e se ouvi ou li não me apercebi do seu contexto nem retive o seu conteúdo. Jamais serviria de caixa de ressonância para mensagens que combato.

Por saber que, depois de emitida, a mensagem está sujeita à interpretação de quem a recebe, e porque o assunto me é demasiado sério e demasiado caro para permitir subjectividades ou relativismos, esclareço o objectivo do postal e a minha posição:

 

É-me lógico que tais cartazes sejam empunhados em qualquer país onde o racismo cerceie os direitos e as liberdades de qualquer indivíduo por causa da cor da pele, sua ou de ascendentes. É-me lógico que sejam empunhados por indivíduos negros que sofrem na pele o racismo e que sejam empunhados por indivíduos brancos que não sofrem racismo mas que se indignam revoltam agoniam com o racismo que vêem os negros sofrer.

Mas Eu, branca, nada e criada num país onde o racismo não tem contornos definidos, vivendo neste país e vendo o racismo claramente assumido por dois partidos, um dos quais com assento no Parlamento, não sinto legitimidade para empunhar tal cartaz e não sinto justiça ao empunhar tal cartaz. E não sinto porque nunca sofri racismo mas vejo racismo de muitas cores, aqui, no meu país: brancos contra negros de várias etnias e contra brancos ciganos, negros contra negros de outras etnias e contra brancos de várias etnias, ciganos contra brancos de outras etnias e contra negros de várias etnias.

Sem qualquer rebuço mas com muita garra, ergueria bem alto um Black Lives Matters numa manifestação de pesar pela morte de Floyd e de outros negros vítimas de violência sancionada pelo estado ou pela sociedade. Mas estas manifestações de dia 6, embora desencadeadas pela morte de Floyd, não foram uma homenagem: foram manifestações contra o racismo, contra a violência policial, contra as desigualdades sociais.

Não desvalorizo a mensagem Black Lives Matters, tão legítima e tão importante. Mas em actos de luta contra o racismo tenho, em consciência, de me colocar ao lado de todas as vítimas do racismo do meu país. Black Lives Matters. Gipsy Lives Matters. Human Lives Matters.

 

Esclareço, justifico e recuso qualquer associação do postal, da sua intenção, da minha visão, a algo menos do que a luta pela abolição do conceito de raças humanas, pela condenação do racismo, pelo reconhecimento intrínseco e universal dos Direitos do Homem conforme declarados pela ONU e assinados e ratificados pelo Estado Português.

 

 

E não, não coloco um White Lives Matters: os direitos dos indivíduos brancos não estão ameaçados por motivos racistas. Xenófobos, talvez, religiosos, idem, mas racistas não. 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

7-2-1.png

 

Este espaço nasceu em 2018. Sem objectivo que não o ter um ID para comentar, não nasceu para ser blogue e eu nunca soube a data em que se transformou. Caso tenham interesse, encontram pormenores sobre esta evolução em coisas cá do burgo, na coluna à direita (ou abaixo, se ao telemóvel) . 

Numa curiosidade arqueológica, resolvi procurar o primeiro texto que pudesse considerar apropriado a um blogue, coisa com cabeça tronco e membros e que não envergonhasse se lido em voz alta no café. Na altura nem sabia ilustrar postais - não me interessava saber, sequer; por isso chamar texto ao tal primeiro postal.

Fui ali à Cave do Tombo e comecei do princípio, que é por onde se deve começar estas coisas. Lidos alguns, nenhum que me envergonhasse num café, devo dizer, resolvi-me a encontrar o momento em que eu me considerei bloguista, alguém que escreve com a consciência de que os temas que aborda e os textos que publica serão lidos por desconhecidos.

Não continuei a pesquisa porque tropecei num texto que colava muito bem num postal que estava a escrever. Um texto que tristemente desenvolvi em torno de um assunto absurdo e quase marginal. Coisa de neófita. Ou talvez, e porque neófita nos blogues mas não no escrever e muito menos no observar a sociedade, coisa de quem atenta em pequenos sinais e os trata com maior relevo do que então merecem.

Resgato-o agora desse seu afinal não tão pequenino absurdo - e não tão pequenino porque preconizador de uma realidade que nos vem confrontando mais rapidamente do que o desinvestimento na educação e na cultura.

Há precisamente dois anos e vinte e cinco dias, escrevi a propósito de uma noticiazinha envolvendo um autarca luso,

Há notícias que me espantam por serem notícia. Não porque conteste o trabalho do jornalista mas porque o facto noticiado é absurdo.

Perante tal, questiono-me: devo contestar, ecoando assim o absurdo e dando-lhe mais um meio de projecção (vale o que vale) ou é melhor simplesmente ignorar e deixar a outros a função de debater (ou apenas abater) tal notícia, tais notícias?

Não sou jornalista, não sou justiceira... mas, caramba, há factos que ofendem a minha sensibilidade e a minha inteligência! Factos que não me espantaria encontrar em algumas terras dos EUA profundo, por exemplo, onde o ensino ministrado em casa aliado a abusos em nome da liberdade de culto podem eternizar resistências várias a outras interpretações que não as instituídas na comunidade. Certamente haverá exemplos destes em África, na América, na Ásia, na Europa e na Oceania, não se pense que acredito ser um exclusivo de alguns norte-americanos do Tio Sam.

O obscurantismo nasce e propaga-se enraizado nas certezas incontestáveis sem qualquer base científica - matéria de fé, de crença, portanto; e não necessariamente relacionada com um credo. E se não discuto as fés de cada um, permito-me questionar a matéria que as suporta. Por outro lado, o obscurantismo alimenta-se do silêncio, da não contestação - e chegada aqui acabo por descobrir a resposta para a minha dúvida inicial.

Suponho que as teorias da conspiração nascem exactamente neste meio-espaço entre o evitar o obscurantismo e o não divulgar toda a informação... como se os seus criadores precisassem desesperadamente de respostas. No fundo, a mesma necessidade que conduziu às várias religiões da Humanidade.

 

E depois, temos em Portugal, um País civilizado, com ensino obrigatório, com acesso não controlado à informação, onde a ciência tem espaço lado a lado com a religião... temos em Portugal, dizia eu, gente que, fazendo tábua rasa da genética e confundindo características somáticas com esta, gente que representa os seus concidadãos e que cria ONG para isto.

A evolução passou-lhes ao lado? Não tiveram aulas de Biologia? Ninguém lhes explicou a diferença entre fenótipo e genótipo e as regras básicas da hereditariedade?! Caramba, estas são perguntas de retórica - o nosso ensino não é assim tão mau!!! 

 

O título do postal era Deixem os nossos bebés em paz... e nos dois últimos parágrafos, muito específicos e debruçados no tema, questiono sarcasticamente os porquês de quem defende teorias que contrariam evidências científicas mais do que estudadas e sustentadas. 

Ainda não investiguei se este autarca se terá entretanto aliado ao Chega. Mas não me admiraria. 

Não, não estou a ser sarcástica: todos conhecemos as manhas do Ventura. Mas já ouviram o João Tilly? Procurem no You Tube. E tomem atenção às falácias a que recorre, às dúvidas que levanta, às respostas que insinua. E atentem no cuidado com que, após a omnipresente acusação "eles escondem" que nunca identifica quem esconde, logo acrescenta "atenção, que eu (ou nós) não tenho dados que me permitam afirmar" o que antes afirmou. Não, a mentira grada não é do agrado desta malta. Levantar dúvida é o seu método, destruir a confiança nas instituições é o seu objectivo.

Ventura continua a ser um oportunista que aproveita o caminho que lhe garanta notoriedade e poder. Mas o Chega já não é só Ventura, há quem trabalhe na sombra promovendo a dúvida nas instituições, nas ciências, nas leis, usando sempre o mesmo discurso: "eles ocultam". E agora eles, os do Chega, procuram financiamento

 

Se tenho medo do Chega? Não. Tenho é medo de que quem ouve os seus argumentos lhes não veja as falácias. Tenho medo de que quem se sente à deriva se enrede nos seus chavões. Tenho medo de que quem vê as instituições falharem acredite nas suas teorias da conspiração. Tenho medo de que quem os aplaude o faça por falta de outra explicação.

E tenho muito medo de que os partidos da nossa democracia não percebam neste oportunismo a consequência da falta de transparência, da falta de entrega à causa e à coisa pública, da falta de respeito pelos eleitores, da falta de investimento nos cidadãos.

 

Imagem: Capa do Charlie Hebdo no 4ª aniversário dos atentados.

Recolhida no Observatório da Imprensa

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Manifestações e confinamento III

Postal 3 de uma série de 3, publicados hoje

por Sarin, em 08.06.20

transferir (2).jpg

# Vidas Negras Importam

Vidas Negras, sim.

Mas não apenas:

Vidas Humanas!

# VIDAS HUMANAS IMPORTAM

Menos que isto é confinar os direitos de alguém.

 

6e2239a4a667cc19d1a37adb7f0a36eb-696x385.jpg

 

images (1).jpg

# Black Lives Matter

Black Lives, yes.

But not only:

Human Lives!

# HUMAN LIVES MATTER

Less than this is to lockdown someone's rights.

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Manifestações e confinamento I

Postal 1 de uma série de 3, a publicar hoje

por Sarin, em 08.06.20

original.png

Enquanto vivemos esta pandemia que nos confinou e ainda confina, têm eclodido por muito mundo manifestações contra o racismo e a violência policial, espoletadas pela morte de George Floyd mas, creio, devidas a todos os maus tratos e a todos os destratos sofridos na pele de outra cor, no formato de outros olhos, nos hábitos de outra etnia. [também abordo, noutra perspectiva, o tema destas manifestações aqui]

 

E há quem se insurja contra as manifestações e contra os manifestantes porque estão a violar a regra do distanciamento social.

É verdade, estão. E eu defendo o distanciamento desde o início. Continuo a defender, até provas que contrariem ser esta uma das melhores acções de contenção do vírus.

Tal como defendi e defendo que não podemos nem devemos estar presos em casa, desde que, e reforço este desde que, respeitadas as regras de distância, higiene e etiqueta respiratória (agora com máscara, assim a saibamos usar).

Também não aprecio manifestações de rua. Posição minha: sou um ser social que não aprecia multidões por reconhecer as dinâmicas de grupo e desconhecer as intenções do manifestante do lado, cada vez menos claras.

Não as apreciando, reconheço o peso que as manifestações podem ter na formação da opinião pública, na captação de atenção mediática, na pressão junto do poder político. Mas nem interessa se gosto ou reconheço validade às manifestações, estas ou outras - defendo o direito de manifestação, e é quanto basta para não me insurgir quando ouço falar nelas, mesmo em tempos de pandemia (desde que, cf. acima).

E defendo o respeito pelas orientações legais definidas para o nosso comportamento, pois que de base democrática e orientadas pelos Direitos Humanos.

Tanto como defendo o direito de objecção de consciência, o direito de resistência e a não legislada mas reconhecida desobediência civil, que nesta métrica de obedecer tem de haver pesos e contrapesos de justiça.

 

Entre estes sins e estes nãos, quase pareço dividida quanto às manifestações em plena pandemia... mas tenho as ideias inteiras e claras. Muito claramente, parece-me que o racismo é mais letal que a covid-19, aliás, parece que a própria covid-19 é também racista em algumas democracias. E, segundo as estatísticas, o racismo tem demonstrado ser, também ele, altamente contagioso.

Chegamos assim ao ter de escolher entre distanciamento social para aplanar a curva da covid-19 e ajuntamento social para aplanar a curva da racismo-XXI. Como, sequer, ter coragem de criticar uma ou outra opção, dizer o que deve ou não defender, como deve ou não sofrer, e quiçá morrer, cada um de nós? Quem for da cor certa que vista a pele dos outros antes de tossir, que a curva da covid-19 é premente e recente e a do racismo, latente e prevalente.

Não, eu não me manifesto nas ruas. Escolho outras formas de manifestação. Mas percebo quem sai à rua contra o racismo e a violência policial - ou melhor, percebo quem pacificamente sai à rua contra o racismo e a violência policial, porque vandalismo ou cartazes como "um polícia bom é um polícia morto" e "make racists afraid again" não, não percebo. E percebo quem teme as manifestações por causa da covid-19 - ou melhor, percebo quem teme pelo não cumprimento das regras de distanciamento social, porque as críticas à realização como "realmente, não se percebe porque é que a situação em Lisboa é tão grave" ou a negação do direito de manifestação por comparações com "festivais de música" e "reabertura de estádios de futebol" não, não percebo.

Tal como não percebo quem acha "um exagero, tanta manifestação" - um exagero é um ataque racista, mais ataques são demasiados exageros. Sem exagero, as reacções nas redes e as manifestações quase ubíquas estão a provocar mudanças reais nos EUA. A forma como os dirigentes reagem às manifestações também pode provocar mudanças, Trump que o diga.

 

Enfim, a covid-19 é questão de vida e de morte. Tal como são de vida e de morte as reivindicações destes manifestantes. E quem achar que podem ser adiadas para depois da pandemia que se fique sossegado a aguardar-lhe o fim, porque é este um daqueles raros casos em que calar é ficar do lado da solução e falar é ficar do lado do problema.

imagem recolhida em Postal

parte das críticas surgiram associadas a esta fotografia. o que estranho, dada a quantidade de manifestações e de fotos disponíveis.

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Onde ideias-desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor.


Obrigada por estar aqui.




logo.jpg




e uma viagem diferente



Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D