Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


74725D1E-E063-48A6-B7EE-AD419FEF61B2.jpeg

 

Por mais que tente, não percebo. Não consigo perceber esta navegação à vista - no caso, à lupa. Não consigo perceber e não pretendo conformar-me, aceitar esta forma de (não) pensar e legislar.

 

As beatas são um sério problema de poluição? Segundo os indicadores, caem ao luso chão 7000 beatas por dia. As quais, entre desfearem o espaço e acabarem em microplásticos na circulação de um qualquer ser vivo, durante 5 anos se amontoam e libertam muitos e variados tóxicos parcialmente retidos nos filtros. Portanto, sim, as beatas são um caso sério na gestão de resíduos e que vai muito além da poluição visual à qual tantos as tentam remeter. 

Mas, e concordando com medidas especiais para o seu tratamento, precisarão de lei específica para o seu controlo? Reparem que falo em controlo, porque é apenas disso que trata a lei hoje aprovada. Não poderiam inserir estas medidas - e outras bem mais importantes - numa lei geral sobre, por exemplo, tratamento de resíduos sólidos urbanos (RSU), cuja revisão já tarda? Estou a recordar-me dos resíduos hospitalares, que tantas dores de cabeça deram a produtores animais, por exemplo... e, no entanto, nos RSU continuamos a depositar pensos higiénicos e pensos medicinais e fraldas descartáveis, apenas para nomear alguns resíduos potencialmente contaminantes biológicos. Ir-se-à legislar mais tarde para cada um destes resíduos? Com multas mas sem criação de circuitos específicos de recolha e tratamento, estes sim urgentes e sem os quais tudo o mais não passará de fogo-de-artifício - tal e qual como no agora caso das beatas?

 

Esta especificação no legislar vem pesar na percepção dos deveres, vem dificultar posteriores revisões de legislação na matéria, vem avolumar o edifício legal com especificidades mais adequadas a regulamentos municipais exactamente porque ineficaz e ineficiente o Estado na promoção dos tais circuitos.

E, sendo esta lei tudo o que acima disse, é também um exemplo perfeito do que noutras intervenções venho dizendo: não se pensa o todo, não se analisa multidisciplinarmente, não se legisla de acordo com um programa. Ficam-se, muito particularmente o PAN fica-se, por remendos. Importantes, sim, mas que nada adiantam numa desengraçada desgraçada esgarçada manta de retalhos, também eles esgarçados, que ninguém tenta substituir. Pois acredito firmemente que estes remendos, bem-intencionadas soluções imediatas, em muito contribuem para a não resolução dos problemas de fundo, diagnósticos assim adiados porque tecnicamente remendados, e remediados seguimos. Nota-se uma muito recorrente ausência de plano, de estratégia nacional... e um atroz abusar da liberdade de proibir, caramba, já me enjôo com estas minhas repetições! Enjôo-me eu e enjoa o Ambiente, sempre nas bocas do mundo mas na sarjeta das políticas.

Será apenas sinal dos tempos, suponho, pois se já da CEE nos vinha a mania de legislar o formato e dimensão dos vegetais e agora da UE nos chegam as proibições palhinha a palhinha, porque ficaria São Bento indiferente à moda do pensar pequenino?

 

Enfim, confesso que ainda tinha a esperança de que os nossos deputados pensassem. O Ambiente, quero dizer.

 

 

 

imagem colhida no Crónica Bipolar

Autoria e outros dados (tags, etc)

Há uns dias, no Postal sem pressa, falei das vítimas esquecidas em nome de outras vítimas mais recentes, e mencionei o algum abrandamento nos esforços de reconstrução em Moçambique após as passagens consecutivas dos ciclones Idai e Kenneth, ideia reforçada pelos testemunhos constantes na notícia inserida numa das ligações.

Hoje deparei-me com a notícia de que Moçambique não recebeu ainda um terço das verbas orçamentadas na ONU, o que compreendo - entendo que as verbas devem ser libertadas gradualmente sob pena de, num cenário de crise como o vivido, não haver controlo suficiente e ocorrer desperdício ou desvio. Por outro lado, acredito que tal libertação não será aleatória, mas devidamente articulada com as intervenções no terreno. E desejo que o tempo prove que esta frase não resulta de ingenuidade mas de esperança.

 

Quase simultaneamente, deparei-me com um postal no qual jpt fala do estado crítico de uma capela em plena Ilha de Moçambique. E onde digo uma, devo esclarecer, conforme faz o autor:

* Tratar-se da primeira igreja cristã no Índico austral, com perto de 500 anos;

* Ser o único edifício manuelino naquela região moçambicana, talvez até em toda a África austral.

 

A reposição da normalidade, a recuperação do modo de vida, é também um esforço emocional e intelectual, não apenas biológico, e os símbolos revestem-se de especial importância. As obras são também parte da humanidade que se pretende preservar, embora perante a emergência, vital, haja dificuldade em perceber ou aceitar urgências que não claramente de sobrevivência. Mas Notre Dame de Paris provou-nos recentemente que não terá tanto a ver com as urgências mas com a sua divulgação junto da chamada opinião pública e, especialmente, nos meios onde se encontram  autoridade e financiamento. A tal fama, a pesar quase tanto como as importâncias histórica e artística.

 

Abaixo insiro fotografia e transcrevo frases do postal " A capela manuelina da Ilha de Moçambique", que pode ser lido integralmente no blogue O Flávio.

 

capela.jpg

"Este é o actual estado da Capela da Nossa Senhora do Baluarte na Ilha de Moçambique, devastada pelo ciclone que assolou a região no final de Abril. (...)

Não creio que o Estado moçambicano possa, na actualidade, repará-la. (...) as urgências e as emergências são gigantescas e os recursos muito escassos.(...) a história da Ilha, pelo menos de XVIII para a frente, é a das constantes reclamações do estado arruinado das edificações – crises económicas, abalos na administração, guerras. E, acima de tudo, as intempéries. (...)

Em 1996/1997 esta capela estava em muito mau estado, tal como toda a “cidade de pedra-e-cal”. A Ilha havia sido proclamada Património Mundial pela UNESCO e houve alguma atenção sobre os edifícios. Em Portugal, a Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses (...) promoveu a reabilitação desta capela, devido ao seu estatuto histórico e ao seu simbolismo. A intervenção não foi muito cara (...) com utilização suficiente de mão-de-obra local. Eu sei que os tempos são diferentes, que há menos disponibilidades financeiras no Estado português.

(...) espero que haja nas autoridades portuguesas pessoas com a suficiente atenção para Moçambique e para a questão do património cultural tangível para disponibilizar a ajuda necessária para uma intervenção nesta capela, de importância única. E que o Estado moçambicano possa e queira acolher esse contributo."

Autoria e outros dados (tags, etc)

Palavras da Rainha Isabel II

por Sarin, em 04.06.19

DD2BF32D-3D96-47BC-BEFA-4141CBF30ACB.jpeg

 

Há ano e meio que aguardava as palavras da Rainha Isabel II sobre o Brexit.

Surgiram ontem no discurso de recepção a Donald Trump, uma mensagem com vários destinatários:

"(...) After the shared sacrifices of the Second World War, Britain and the United States worked with other allies to build an assembly of international institutions, to ensure that the horrors of conflict would never be repeated. While the world has changed, we are forever mindful of the original purpose of these structures: nations working together to safeguard a hard won peace.(...)"

 

Se no seu discurso a Rainha era protocolarmente obrigada a mencionar as ligações históricas e comerciais entre os Estados Unidos da América e o Reino Unido, nada que não a vontade incluiria no discurso a importância das instituições multilaterais como garantes da paz - o discurso das comemorações do Dia D, a ser proferido em Porthsmouth no dia 5, seria suficiente para uma breve referência aos Aliados e dispensaria a evocação de outras alianças e parcerias.

Não, parece-me que a Rainha Isabel II expressou, o mais claramente que lhe foi possível, o que pensa da importância de protocolos internacionais, uma mensagem que Trump optará por ignorar, e o que pensa da prolongada indecisão quanto à União Europeia. Duvido que Johnson se permita ignorar tão facilmente esta admoestação ao Brexit e ao No Deal.

 

 

imagem de Hannah McKay/REUTERS, recolhida no Jornal Económico

Autoria e outros dados (tags, etc)

Postal sem pressa

por Sarin, em 02.06.19

599F8AE1-0C00-4BAF-A32E-EE0630811F42.jpeg

Apetecia-me não escrever nenhum postal hoje - e apenas para não afundar o postal de ontem, como que a deixá-lo em destaque para que quem passa bata com os olhos nele.

Não por vaidade, embora confesse que gosto do resultado, que gosto especialmente dos diapositivos na última ligação.

Mas pela dor: os números doem. As realidades doem. E fazem-se sofrer, mas tantos de nós alheados...

 

Nisto, lembrei-me de números que vamos esquecendo pela voragem de outros números que se impõem ao dia: as vítimas de Kenneth e Idai e os esforços de reconstrução de Moçambique, tão semelhantes nas necessidades e tão distintas nas causas das vítimas dos massacres dos  Tutsi no Ruanda e dos Rohingya no Myanmar, massacres estes separados por quase 25 anos mas com as mesmas motivações, tão semelhantes às que levaram Hitler a construir fornos crematórios ou que fizeram de Masada uma cidade sitiada cujos herdeiros sitiam agora outros...

Todos os dias surgem novas vítimas, lá e cá - porque, embora noutra dimensão, também por cá as temos: vítimas da falta de civismo e das más acessibilidades, vítimas do esquecimento da família e da sociedade, vítimas da vida moderna.

São vítimas distintas, aquelas que lutam pelo direito a viver e aquelas que se confrontam com dificuldades para viver com saúde e autonomia. Mas nunca gostei da frase "Chorei por não ter sapatos até que vi uma criança sem pés": não me nivelo pelos mínimos, e nos meus braços cabem todos os injustiçados. Recordar uns não retira aos outros espaço na memória. Nem me limita as acções, limitadas pela minha insignificância e não pela minha indiferença.

E estas tantas vítimas têm causas distintas, entre a natureza tão alterada pelo homem e os homens alterados por vaidades várias.

"De que adianta falar e falar?", peguntarão...

... falo para que quem me lê ouça.

... falo para que quem me ouve pense.

... falo para que quem pensa não esqueça.

... falo, sobretudo, para que eu não me esqueça.

Não me esqueça de comer produtos locais e da época e evitar, tanto quanto possível, congelados enlatados importados porque mais saudáveis os primeiros, sim, mas também muito menos poluentes.

Não me esqueça de indagar a origem dos produtos e de investigar as marcas, preferindo aqueles e aquelas onde encontro cuidado e responsabilidade social.

Não me esqueça de que os artigos novos são bonitos e brilhantes mas são utilitários e não sinais de poder, que a pegada ambiental e social causada pelos artigos novos de que não preciso pesar-me-ia muito mais do que me pesam já alguns hábitos impostos e adquiridos talvez sem remissão.

Não me esqueça dos pequenos gestos e não me esqueça de que os pequenos gestos são pequenos mas são meus. E que sem eles talvez deixe de dormir bem, deixando de dormir bem deixe de pensar, deixando de pensar me limite a consumir o que me querem vender. Nessa altura serei um arremedo de mim, um remendo de gente que fui. E não serei, não estarei nem para mim nem para elas - as vítimas sobre quem agora escrevo.

 

 

imagem recolhida na rede: carta de tarot

Autoria e outros dados (tags, etc)

Que bom é ser-se criança

por Sarin, em 01.06.19

maos-pintadas.jpg

Oficialmente, o Dia Mundial da Criança é o 20 de Novembro.

Porque foi no dia 20 de Novembro de 1959 que na ONU se assinou a Declaração Universal dos Direitos da Criança. E foi no dia 20 de Novembro que em 1989 se assinou a Convenção dos Direitos da Criança.

Esta convenção é, apenas, o tratado internacional mais ratificado de sempre: 192 dos 193 países reconhecidos junto da ONU são aderentes. A excepção são os EUA.

 

Mas o dia 1 de Junho já anteriormente havia sido declarado Dia Internacional da Criança... em 1925, durante a Conferência Mundial para o Bem-Estar da Criança realizada em Genebra, 

Por isso, em 51 países o Dia da Criança continua a ser celebrado a 1 de Junho.

Mas apenas 115 países dos mais de 200 países existentes no Mundo comemoram esta data - ou melhor, 114, pois no Japão não se comemora o Dia da Criança mas sim o Dia das Meninas (3 de Março) e o Dia dos Meninos (5 de Maio), uma evidência de quão profundamente a sociedade nipónica ainda é machista.

 

A Convenção dos Direitos da Criança não é um mero quadro de boas intenções: é um tratado internacional, um documento que deve ser vertido na legislação de cada um dos cento e noventa e dois países que a assinaram.

Assenta em quatro grandes pilares, transcritos exactamente como constam no sítio da UNICEF:

  • não discriminação, que significa que todas as crianças têm o direito de desenvolver todo o seu potencial – todas as crianças, em todas as circunstâncias, em qualquer momento, em qualquer parte do mundo.
  • interesse superior da criança deve ser uma consideração prioritária em todas as acções e decisões que lhe digam respeito.
  • sobrevivência e desenvolvimento sublinha a importância vital da garantia de acesso a serviços básicos e à igualdade de oportunidades para que as crianças possam desenvolver-se plenamente.
  • opinião da criança que significa que a voz das crianças deve ser ouvida e tida em conta em todos os assuntos que se relacionem com os seus direitos.

 

E, no entanto...

... são cerca de 15000 as crianças com menos de 5 anos que morrem diariamente.

... a cada 7 minutos morre um adolescente de forma violenta; em 2015 foram cerca de 82000.

... um quarto das crianças com menos de 5 anos não está registada. Sem registo não há certidão, sem certidão não há acesso aos cuidados de saúde ou à educação.

... em África, 38,6% das crianças em meio rural e 25,7% em meio urbano estão subnutridas.

... 61 milhões de crianças em idade escolar nunca andaram na escola nem frequentaram o ensino básico.

... há países onde nem todas as escolas têm água canalizada, instalações sanitárias ou promovem a higienização: são 58 os países onde nenhuma escola tem água canalizada, 49 os sem escolas com instalações sanitárias básicas e 70 aqueles onde as escolas não têm nem água nem  sabão para lavagem das mãos.

... há cerca de 152 milhões de crianças a trabalhar no mundo. Aproximadamente 18,2 milhões na indústria do vestuário e calçado, e cerca de 1 milhão na extracção de minérios para a indústria electrónica, actividade que também facilita a prostituição infantil.

... cerca de 17 milhões de mulheres adultas oriundas de países com baixos rendimentos disseram terem tido sexo forçado na infância, e cerca de 2,5 milhões de jovens mulheres de 28 países da Europa afirmaram terem sofrido violência sexual antes dos 15 anos. Não há dados sobre a violência sexual contra homens, não quer dizer que não exista.

...

... porque há muito mais.

 

Que, dolorosamente, é também muito menos.

Menos atenção.

Menos cuidado.

Menos futuro.

 

 

E Menos prendas, por favor:

Muitas das que hoje serão colocadas nas mãozitas das crianças felizes estão marcadas por mãozinhas de crianças sem riso.

 

 

que bom é ser-se criança.pptx

imagens colhidas na rede.       

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O lixo dos outros

por Sarin, em 31.05.19

CAE7D63D-04BE-42DA-A17E-6C04CC9EAC25.jpeg

Every year we dump a massive 2.12 billion tons of waste. If all this waste was put on trucks they would go around the world 24 times.

The World Counts

 

 

O Ocidente andou décadas a enviar os resíduos para os, por si denominados, países do terceiro mundo.

Atulhados em dívidas externas e amarrados a estranhos acordos comerciais, tais países continuaram a receber todo o tipo de resíduos, num negócio que limpava o Ocidente de lixo e de vergonha e o deixava de cara lavada para discutir problemas tão sérios como o preço das quotas de carbono ou a proibição de palhinhas e cotonetes de plástico, tudo bem ensacado num saco de dez cêntimos.

 

Pois bem, isso acabou.

Os países de terceiro mundo cansaram-se de navegar dejectos e detritos, e estão já a devolver os resíduos ao resto do mundo, o seu a seu dono.

Será a melhor forma de os cidadãos ocidentais perceberem exactamente a quantidade de resíduos que produzem.

Até aqui, "longe da vista, longe do coração".

Agora já não.

 

Que sirva também para afogar a hipocrisia e pensar seriamente o Ambiente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E se fosse sempre assim?

por Sarin, em 29.05.19

 

 

Há uns tempos disse que não voltaria a ver notícias à hora da refeição. Mas quando filo a bóia nos pais, e porque acompanhada, nem sempre consigo mudar de canal ou apagar o aparelho, por muito sub-repticiamente que o tente. Acreditem, há dias em que me aproximo da televisão com uma leveza de gato a acercar-se do ninho...

Hoje foi um daqueles em que talvez o tenha tentado com a graciosidade de um hipopótamo no [pub] Museu da Vista Alegre, e acabei por acompanhar o "E se fosse consigo?"

O tema, assédio moral no trabalho, foi muito bem ilustrado por dois actores, uma empregada de limpeza a quem o patrão chamava incompetente e mandava acelerar o trabalho de lavagem do chão no átrio de um ginásio.

O realizador talvez tenha captado 15 ou 20 passantes. A maioria interveio, muito poucos se quedaram mudos, todos incomodados, nenhum indiferente. Novos, velhos, homens, mulheres, uma voz comum: exigiam tratamento digno para a funcionária. Que o patrão até poderia ter razão mas nem aquela forma nem aquele local eram os correctos para o dizer, alertaram alguns; outros exigiram que parasse com tal atitude, e houve mesmo quem tentasse encorajar a funcionária a dizer ao patrão que já chegava de humilhação e que o assédio era crime. Muito calmos e assertivos, até o que chamou besta ao patrão .

Fiquei de alma cheia!

Quando nem um passante fica indiferente e cerca de 75% intervém activamente numa situação destas, sinto que ainda há esperança para o nosso País. Que não estamos totalmente alheados do outro, que não nos limitamos ao nosso quintal.

 

Muitos não se terão apercebido, outros nem terão tal consciência, mas o que fizeram foi acção política tanto quanto foi solidariedade.

Fará diferença ter sido num centro urbano? Talvez. Mas é também aí que se concentra a maioria da população, portanto insisto: deu-me esperança.

 

Agora espero e desejo que assim ajam noutras situações.

Autoria e outros dados (tags, etc)

FCFFD811-A08F-4AD1-8A19-7EE357F90A07.jpeg

 

Muito se tem falado sobre a abstenção e as suas causas.

Penso que estas não são lineares, como muitos apregoam, e defendo que o assunto exige um diagnóstico aprofundado para que as medidas de longo prazo sejam adequadas. [Sobre estas, falamos e falaremos no Rasurando.]

 

No entanto, perante

* Umas presidenciais de fim de mandato duplo onde surgem 52% de abstencionistas,

* Umas legislativas europeias que atingem os 70% de abstenção,

temos de aceitar estar perante uma crise da democracia.

Estes níveis de abstenção não são admissíveis, e mais nos assemelham a uma oligarquia. Porque reparem: os menos de três milhões que votaram escolheram pelos quase onze milhões - mas escolheram dentre um universo reduzidíssimo definido pelas direcções dos partidos.

Não vou discutir este tema nem no postal nem nos comentários - como disse, o Rasurando aborda esta e outras questões; mas falo nisto porque os outros quase oito milhões me pesam na cidadania, o meu voto contribuiu para todos como se nós, os que votámos, fôssemos pastores a conduzir o rebanho. E ainda os tenho de ouvir queixarem-se...

 

Defendo várias alterações no nosso regime, e todas elas inter-relacionadas. Mas este postal visa apenas o combate à abstenção no curto prazo.

Porque temos mais eleições este ano, e é urgente anular o défice democrático de que padecemos, estas são as minhas propostas iniciais, e são a base das minhas exigências: que as consequências políticas da abstenção sejam efectivas.

 

* Sou a favor do sufrágio do executivo, à semelhança do que se faz nos municípios.
Já não vamos a tempo para este ano, mas podemos pensar  e pesar seriamente os prós e os contras. Sem as vedetas de televisão: nós, os cidadãos eternamente mudos na plateia.
 
* Defendo o encerramento dos círculos eleitorais e a criação de listas uninominais nacionais que possam concorrer com os partidos.
Também não vamos a tempo para este ano. Exigiria revisão do regime eleitoral e da lei dos partidos, bem como da lei fundamental.
[Adenda devido a comentário: E porquê acabar com os círculos eleitorais? Previstos na Constituição, surgiram numa óptica de regionalização - que nunca avançou excepto nas ilhas. Tecnicamente, apenas servem para eleger deputados para a AR, pois as eleições locais circunscrevem-se às zonas administrativas, e as presidenciais e as europeias são contabilizadas a nível nacional. Há muitos votos não contabilizados - não chegando para meter um deputado, o último deputado do círculo será do partido que tiver a maior fracção. Contabilizados nacionalmente, isto não aconteceria a não ser com o último deputado a entrar. E os partidos menores talvez tivessem hipótese.
Os círculos não servem nenhum outro propósito: os deputados não se sentam nem agem de acordo com os interesses do círculo, mas do partido. E não são deputados do círculo, mas da nação.]
 
* Apelo à descentralização das Comissões Parlamentares com regulação sobre partidos, regime eleitoral, deputados, revisão constitucional, assembleia da república, enfim, sobre matérias que convocam os deputados a votar em causa própria.
Com discussão ao nível local, as comissões parlamentares desceriam aos distritos em assembleia com os eleitores. Dessas reuniões haveria actas publicadas nos jornais locais e nacionais. Só após estas assembleias os diplomas seriam elaborados e votados no Parlamento Nacional.
Para que haja transparência, seriedade, participação.
 
* Peço que o boletim de voto tenha "nenhuma das opções" e "discordo do regime".
Caberia ao Presidente da República gerir tais leituras. "Nenhuma das opções" superior a 1/4 dos votos obrigaria a vacatura de lugares e diminuição de deputados na mesma proporção dos votos. "Não concordo com o regime" superior a  1/3 dos votos obrigaria a referendo de escolha múltipla.
Exequível nas regionais de Setembro e nas legislativas de Outubro. Os resultados não seriam vinculativos pois as medidas exigem legislação que talvez não seja possível aprovar com a celeridade necessária; mas seria recolhida informação importante sobre a posição dos eleitores face ao regime e aos partidos - um ponto de partida para o tal diagnóstico que se exige.
 
* Proponho que o voto não seja obrigatório, mas que o eleitor votante tenha benefícios.
Os direitos dos cidadãos não estão em causa, mas os votantes teriam um pacote de benefícios que incluiriam redução ou isenção de taxas de emissão de documentos de cidadania, descontos adicionais em impostos, majoração em concursos a subsídios. Estes são exemplos acessíveis aos cofres do Estado.
Também se poderiam sortear Títulos do Tesouro, à semelhança do que se faz com a Factura da Sorte.
Fazível nas legislativas de Outubro. Não está inscrito no Orçamento de Estado, mas certamente que, para início, se poderia alterar o regulamento da Factura da Sorte e desviar verba para o Voto Sortudo.
 
* Questiono porque não são divulgados, durante a campanha eleitoral, os custos associados à organização de cada acto eleitoral: orçamento do acto em curso e relatório de contas do que o antecedeu.
Divulgação na comunicação social, em edifícios públicos ligados aos poderes legislativo e executivo, nos sítios institucionais.
Para que os eleitores não votantes tenham noção do dinheiro que desperdiçam ao erário com o seu alheamento gratuito.
Fazível já nas regionais de Setembro. Não percebo como não é prática corrente.
 
 
 
 
 
 
Na imagem, Helena Bonham Carter como Rainha de Copas (fotograma retirado do filme Alice in Wonderland, de Tim Burton)

Autoria e outros dados (tags, etc)

European pie, a última vez?

por Sarin, em 27.05.19

C378C9AA-B399-45B1-B4EA-EF38C3EC48F5.jpeg

São 2h30. Pelas BBC World e Deutsche Welle sei que os nacionalistas ganharam em França, em Itália, na Hungria e na Bélgica... e no Reino Unido, se entendermos que o Brexit também o é.

Por toda a Europa, liberais e populistas saíram vencedores, como adivinhava mas temia. Não tanto pelos liberais, geralmente moderados, mas pelos outros. E se os partidos ambientalistas também ganharam força, desconfio que de pouco lhes valerá tal vitória, sabendo os liberais essencialmente liberais na economia e os populistas o que mais conveniente lhes for em cada momento - e isto apesar das Thunberg deste mundo...

Como se numa jangada distinta, na Península Ibérica demos aos socialistas a maior fatia, parecendo nisto confirmarmos as políticas dos partidos no governo em ambos os lados da raia, nesta feita assim esbatida. Mas enquanto em Espanha a extrema-direita acompanha a romaria, por cá a direita perdeu-se de si e dos eleitores - e dos partidos sem assento parlamentar não rezará a história destas eleições.

 

Conhecedora destes vagos resultados, tento aprofundar o que aconteceu, saber o que mudou onde e como.

No Sapo fala-se de Portugal, da vitória do PS que não vê problema numa abstenção de 68,8%, fala-se da vitória do BE e do PAN que, tudo indica, elegem mais um deputado do que anteriormente, fala-se da derrota de todos os outros. E fala-se, muito, de como estes resultados se traduzirão nas legislativas.

Nos canais televisivos nacionais, apenas a RTP3 e a TVI ainda vão falando, autopsiando os resultados internos e as suas influências nas legislativas, políticos e analistas e jornalistas nesta abordagem unânimes.

E, perante este isto, pergunto-me se reduzir as europeias a uma discussão de contestação ou validação do governo não será, também,  uma forma de nacionalismo.

Um nacionalismo bisonho e mesquinho que, tão sem consciência de si, fala de vitórias e derrotas partidárias perante a alienação de quase 70% do eleitorado. Um nacionalismo ignaro que rejubila ou se lamenta pelos resultados internos, enquanto a Europa se reconfigura numa manta de retalhos hoje provadamente esgarçados.

Enfim, um nacionalismozinho que não passa de clubismo tão próprio de quem não vê mais nem sente melhor. Apropriado, portanto, à mensagem das eleições de hoje: os portugueses estão totalmente disponíveis para serem conduzidos ao que na Europa se prepara.

Depois guinchemos.

 

 

imagem recolhida no portal dos animais

Autoria e outros dados (tags, etc)

A posição que veio do frio

por Sarin, em 26.05.19

817F3659-8EAE-4BC6-9DB0-98F3F23C8256.jpeg

E enquanto a União Europeia ameaçava a Venezuela de Maduro, precipitada e levianamente prescindindo da posição neutra que lhe permitiria mediar a crise e afirmar-se como alternativa mundial aos blocos americano e sino-russo, a Noruega manteve-se calada e foi elegendo os seus governantes à direita.

 

E agora com a União Europeia numas eleições de resultado imprevisível e a ser oprimida por um Brexit que nem pode nem sai de cima...

... a neutra e fria Noruega de direita chega-se à frente:

Governo da Venezuela agradece mediação da Noruega e confirma diálogo com oposição em Oslo.

Os muitos fiordes não lhe impedem a construção de pontes... ainda bem para a Venezuela.

E que vergonha, que oportunidade desperdiçada pela União Europeia!

Que a UE aprenda a manter a cabeça fria e a congelar a vocação de reposteiro. Ou isso, ou mais vale esquecer a política de defesa comum e deixar-se estar sossegadinha e obediente na NATO.

 

 

Foto: Rodovia Atlântica, de   Asbjørn Floden 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigada por estar aqui.




logo.jpg




Localizar por cá

  Pesquisar no Blog




Memórias

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.