Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sarin - nem lixívia nem limonada

Um blogue irregular onde ideias e desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor. Não faltava onde escrever e opinar. Mas faltava o blogue. Pronto, agora já não.

Sarin - nem lixívia nem limonada

Um blogue irregular onde ideias e desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor. Não faltava onde escrever e opinar. Mas faltava o blogue. Pronto, agora já não.

Rendo-me: Bruno de Carvalho é imbecil

Bruno de Carvalho nunca me mereceu respeito além daquele que me merece qualquer ser humano pelo facto de respirar.

Ainda assim, apesar de tanto destempero da sua parte, sempre evitei classificar a pessoa, que não as suas acções. "Sempre tentei" e fui muitas vezes bem sucedida. Naquelas em que falhei, andei geralmente, e ao que me lembro, entre a classificação de sociopata e a de comediante, a primeira por todos os sinais (que indiquei como suporte para tal classificação) evidenciados ao longo de anos, não apenas meses; a segunda, pela peculiar noção de coerência demonstrada nesses mesmos anos.

 

Nunca lhe neguei inteligência, associada no entanto a um programa de acção muito próprio e pessoal pejado de valores contrários a muitos dos que apregoava, e acompanhada de notória verborreia. Programa de acção este que, em raras situações, serviu realmente os interesses do Sporting, clube pelo qual nutro um salutar carinho rival. Assim, considero que Bruno de Carvalho é inteligente. Apenas o é selectivamente e em função dos seus interesses.

 

Mas, perante esta afirmação, classificá-lo de imbecil é pouco! Muito pouco!!! Mas, caramba, abaixo disto... o quê?!

O desrespeito revelado pelas vítimas da PIDE é, além de monumental, suficiente para demonstrar que o cidadão Bruno Miguel Azevedo Gaspar de Carvalho, o inepto gestor, não é inimputável mas é iníquo. Enquanto gestor, enquanto cidadão e enquanto ser humano. É injusto, é perverso, é mau... e é imbecil!

 

Sei que está desempregado. Talvez até com dificuldades financeiras - qualquer um estaria, face à súbita quebra de rendimentos. Podemos oferecer-lhe uma estadia no Forte de Peniche? Juro, e sou parca no uso deste termo, que não me importo se usarem os meus impostos para lhe proporcionar uma "experiência real PIDE" durante 3 meses. Deve ser suficiente.

E isto não é maldade: os imbecis não aprendem, apenas modelam o comportamento com a repetição, à velha maneira pavloviana.

Deixemo-lo repetir as rotinas dos prisioneiros da PIDE, incluindo as dos inquéritos. Deixemo-lo sofrer de pé enquanto vê a filha mais nova,  esfomeada, gatinhar a mesa e cair ao chão em busca do biberão com que lhe acenam, passatempo muito do agrado de tal polícia quando questionava jovens mães na António Maria Cardoso. O Tarrafal já não é nosso, mas podemos arranjar-lhe uma frigideira ali em Peniche - garanto que dou contributo adicional para a instalação de aquecedores que lhe proporcionem as mesmas temperaturas aconchegantes.

Mas parece que  não vale a pena arrancarem-no de casa pela calada da noite - não haverá ninguém para se afligir por ele quanto à incerteza do seu destino. Quanto à sua culpa, inocente que seja... bom, segundo a opinião de Bruno Miguel, a PIDE era mais boazinha que o seu ex-amigo e ex-colega de listas e de mandatos Jaime Marta Soares, por isso nada a recear...

Obrigada por estar aqui.

14 comentários

[A palavra a quem a quer]