Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sarin - nem lixívia nem limonada

Um blogue irregular onde ideias e desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor. Não faltava onde escrever e opinar. Mas faltava o blogue. Pronto, agora já não.

Sarin - nem lixívia nem limonada

Um blogue irregular onde ideias e desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor. Não faltava onde escrever e opinar. Mas faltava o blogue. Pronto, agora já não.

Não é, Não

Com vírgula.

 

B8D660F2-0C54-45D1-B1EE-49778FFCAE5C.jpeg

(fonte da imagem aqui)

 

 

Os factos são sempre factos. A sua interpretação é que pode variar.

 

E interpreto o facto de tantos concidadãos se insurgirem contra a "violação dos direitos das mulheres" que, para eles, a burqa significa, como uma pouco lisongeira consideração pelas mulheres que escolhem usar tal indumentária. Parecida à falta de respeito que atribuem aos homens defensores do uso da mesma - se a estes acusam de obrigar as mulheres, a estas não lhes reconhecem o direito de optar, de gostar, de querer usar burqa, ou niqab, ou um véu.

 

Também interpreto o facto de, sobre uma vítima de violação, esses mesmos concidadãos culpabilizarem a vítima pelas roupas que usa, como se o vestuário não fizesse parte da liberdade de expressão e o homem não fosse um ser capaz de controlar desejos e impulsos.

 

Não me parece que a burqa seja atacada por "violar os direitos das mulheres"  - afinal, atacam a mulher por usar roupa mais reveladora e culpam-na, até, por se expor a ataques, desejosos talvez de impor uma qualquer burqa ocidental... 

 

Infelizmente, em nenhum dos casos o que os move é o respeito pela Mulher. Não é, não.

 

E assusta-me que o não percebam.  

*** Obrigada por estar aqui. Sarin *** Info sobre o blogue em i, no cabeçalho

7 comentários

[A palavra a quem a quer]