Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sarin - nem lixívia nem limonada

Um blogue irregular onde ideias e desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor. Não faltava onde escrever e opinar. Mas faltava o blogue. Pronto, agora já não.

Sarin - nem lixívia nem limonada

Um blogue irregular onde ideias e desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor. Não faltava onde escrever e opinar. Mas faltava o blogue. Pronto, agora já não.

Não é Não

A expressão não precisa de ponto de exclamação.

O postal, sim.

4C6912FE-7C27-486F-A084-5546CEDC6595.jpeg

(fonte da imagem aqui

 

 

Há quem julgue o "Não" um sim disfarçado, seja porque o ego não consegue processar a recusa, seja porque o emissor depois faz beicinho e diz "esperava que insistisses".

 

Falando de sexo, a coisa resume-se a   "Comuniquem com clareza".

Porque a denguice associada a um "sim disfarçado" pode levar a um sexo "mais ou menos" consentido. Exacto, a ambiguidade joga para ambos os lados - só que não há "violações assim-assim", nem quando quem viola não sabe estar a violar... porque a vítima, essa, saberá.

E antes que me corrijam com um "o outro pode sempre parar", pensemos que a violação não tem que compreender toda a consumação. Uma vítima de violência será vulnerável durante 2 segundos ou 2 minutos, mas qualquer trauma durará mais do que isso.

 

Não podemos evitar a violência gratuita. Mas a violência por não sabermos comunicar? Temos a Língua que falamos, temos a linguagem corporal, temos códigos de sedução, temos imaginação...

 

Resumindo ainda mais: "Pensem".

Não é Não.

Isto no sexo.

 

No resto também.

Obrigada por estar aqui.

19 comentários

[A palavra a quem a quer]