Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Entre Esculápio e Goebbels

por Sarin, em 09.05.19

ministra norueguesa.jpg

 

Não é incomum uma ministra defender que o Estado não deve interferir nas liberdades individuais dos cidadãos.

Não será inédito que uma ministra entenda que o Estado deve disponibilizar informação aos cidadãos para que estes tomem as suas decisões.

E também não me espanta que um cidadão reivindique o direito de fumar de comer carne vermelha de beber (e, já agora, ... não?).

O que me espanta, e muito!, é que esse cidadão seja uma Ministra da Saúde e que esta ministra faça estas afirmações! Bom, é uma ministra da Saúde que já foi da Justiça e correu mal, mas... ainda assim!

É uma Ministra da Saúde que entende que as opções alimentares não são matéria de Saúde Pública. Que vê, segundo demonstra, a Saúde Pública como matéria de decisão individual, ou talvez nem como matéria mas antes algo imaterial... tão imaterial como as fraudes e os testes negativos das tabaqueiras das farmacêuticas das indústrias agro-alimentares das indústrias alimentares. Talvez que tenha a mesma posição quanto às vacinas? Que suponha mania a saúde reprodutiva?

Porventura olvidará as questões de sustentabilidade associadas à carne vermelha - ou, como escrevi antes e mais genericamente, ao trigo e ao pão que o diabo amassou?

 

 

Pergunto-me para que terá a Noruega uma Ministra da Saúde - esta, pelo menos, seria muito mais eficiente como Ministra da Propaganda.

 

 

Imagem retirada do sítio da BBC.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigada por estar aqui.



11 comentários

Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 09.05.2019 às 17:55

Vindo de onde vem é de espantar - ou talvez não. Penso que o enfoque nas liberdades foi notório e talvez descontextualizado. Aguardemos por uma explicação... 
Imagem de perfil

De Sarin a 09.05.2019 às 18:34

Não me espanta muito. A senhora foi uma nódoa de má diplomacia enquanto Ministra da Justiça, e acredita piamente nas liberdades individuais mas apenas de alguns.


Esquecendo a questão da sustentabilidade e do onde iria o ministério buscar a informação científica (ambas as partes? Apenas um dos lados? Financiaria estudos independentes?), centremo-nos na questão prática: ambientes públicos e serviços de saúde. Se eu puder beber o que me apetecer e meter no carro... responsabilidade? Se os serviços de saúde tiverem uma subida de 30% de utentes devido a problemas de saúde, o que implica também uma deterioração da produtividade noutros sectores, quem paga?
Isto é Saúde Pública. E a salvaguarda do direito de todos sobrepõe-se à salvaguarda do direito de alguns. Mas é a minha opinião, claro :)
Imagem de perfil

De Robinson Kanes a 10.05.2019 às 12:17

Bem, então podemos falar muito de Portugal... Prefiro uma nódoa na Noruega a várias por este país - foi a minha farpa, pronto :-)


Já há explicação?
Imagem de perfil

De Sarin a 10.05.2019 às 12:59

:)


Em Portugal há muita asneira a carecer correcção, mas felizmente não temos os responsáveis a atentar contra a Saúde Pública só porque sim...


Infelizmente esta nódoa da Noruega é uma cópia de outras nódoas - e as nódoas replicam-se assustadoramente quando se trata de afirmações levianas. A Noruega tem um estatuto de nem sou nem deixo de ser da UE (não é, mas tem acordos comerciais, faz parte da NATO mas sairá para uma eventual força europeia, integra o espaço Schengen e tem trilhado alguma da harmonização legal) - estas medidas terão repercussão na UE, se forem avante.




Não soube de mais nada - mas duvido que haja. Até porque são demasiado absurdas :p
Imagem de perfil

De MJP a 09.05.2019 às 22:15

Olá Sarin!


Realmente... fiquei estupefacta com as declarações da senhora!!!
Imagem de perfil

De Sarin a 09.05.2019 às 22:18

Incompreensível em pessoas sérias e comprometidas com as matérias que tutelam!
Mas talvez que a senhora seja apenas mais um caso de tacho ignorante...
Imagem de perfil

De MJP a 09.05.2019 às 22:21

É muita irresponsabilidade... muita falta de tudo!!!
Imagem de perfil

De Sarin a 09.05.2019 às 22:32

Muita falta de tudo, e um excesso de nada... que se seja inepto ainda vá, mas isto é ser realmente perigoso! Aliás, penso que a sua Directora Geral de Saúde disse algo parecido - segundo a tradução, que de norueguês não pesco pevide...
Imagem de perfil

De MJP a 09.05.2019 às 22:58

Sim... muito perigoso, mesmo!!!
Imagem de perfil

De Pedro Vorph a 11.05.2019 às 23:39


Lembrando Paracelso:


A diferença entre um veneno e um remédio é a quantidade.


Lembrando o Totalitarismo:


Quando o Estado regulamenta todos os aspectos da vida pública e privada. 
Já nos dizem o que podemos ou não dizer ( ainda vão tolerando, mas vontade não lhes falta) . Já nos dizem o que podemos ou não comer....hmmmm...o Totalitarismo não foi sempre justificado pela verdade cientifica? 


Para a escumalha da esquerda é mais aceitável ser puta que comer um bife mal passado. É mais aceitável um puto fumar um charro , que um cigarro. É mais aceitável um trago de MDma do que de uísque. 


There’s a totalitarian subtext to scientism. Scientism entails a militant certainty of truth, and an utter intolerance for dissent that is remarkably akin to totalitarian political movements. Scientism is increasingly a spawn of the political left, which has been the primary source of totalitarianism in the past century.



Não me chateiem...



Imagem de perfil

De Sarin a 12.05.2019 às 00:01

Talvez Pedro Vorph seja escumalha de esquerda e assim pense - para mim, que sou de esquerda mas não escumalha, bife é mal passado e putas fora dos órgãos de decisão.


Já quanto àqueles que atacam tudo e o seu contrário por lhes ser mais fácil atacar as ideias dos outros do que ter e defender ideias suas, a esses, não lhes faço nada, coitados, é deixá-los deambular...

a palavra a quem a quer




logo.jpg




Localizar por cá

  Pesquisar no Blog




Memórias

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.