Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



IMG_2820.jpg

ou

Um breve apontamento sobre escrevedores de notícias 

 

Teria sido mais interessante se tivessem publicado o discurso que deu origem a uma das notícias que li hoje, especialmente o trecho onde, segundo o escrevedor que garatujou a coisa, Francisco "acusa[ndo] a indústria pornográfica de ser o “espírito do mal”." 

 

Nas citações apresentadas, Francisco diz que a indústria da pornografia é ”degenerativa em relação ao nível onde Deus colocou a sexualidade”. Apenas isto: que a sexualidade na indústria da pornografia nada tem a ver com a sexualidade pretendida pelo seu deus, Deus.

Diz também, segundo o mesmo jornal, que "o ”espírito do mal”" ataca a sexualidade - sendo esse espírito do mal” a mundanidade”, segundo outra citação na notícia. Mundanidade, ou o oposto da espiritualidade. Que incluirá a indústria da pornografia, conforme se depreende pela classificação de degeneração; mas nada indica que Francisco entenda ou tenha dito que a mundanidade, ou ”espírito do mal”, se restrinja a esta indústria. Portanto, em bom rigor, deveria o desconhecido autor da peça ter usado um artigo indefinido em lugar de um artigo definido: um ”espírito do mal”, e não "o ”espírito do mal”". Porque o texto não é de opinião e gira em volta de citações. 

 

Seria muito bom que quem escreve notícias soubesse português e tivesse capacidade de interpretação.

Que não truncasse factos seria excelente!

Que não deturpasse o sentido nem incluísse juízos de valor já seria pedir demasiado, talvez?!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigada por estar aqui.



8 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro a 21.09.2018 às 08:41

"pornografia é ”degenerativa em relação ao nível onde Deus colocou a sexualidade”.

Os adoradores de Ishtar, de Ísis,de Dionísio, ou de algumas seitas hindus pensarão de forma diferente. Sou adepto de uma Boa mundanidade.
Imagem de perfil

De Sarin a 21.09.2018 às 09:45

Olha que o Francisco não falou em pornografia mas em indústria da pornografia... ;)
Sem imagem de perfil

De Pedro a 21.09.2018 às 16:54

Mas pode haver uma sem a outra?
Imagem de perfil

De Sarin a 21.09.2018 às 17:10

Não apenas pode como há: vídeos caseiros, exibicionismo, festas privadas, ... ...
Imagem de perfil

De Pedro D. a 23.09.2018 às 20:21

É tudo muito relativo... por exemplo os norte americanos são o povo mais puritano do mundo, mas têm a maior industria pornográfica do planeta. Ou seja, apontam o dedo na rua, mas consomem o produto em casa... na igreja é a mesma coisa, aponta-se o dedo a industria pornográfica e esquece-se o que se faz dentro da igreja com o sexo.
Imagem de perfil

De Sarin a 23.09.2018 às 20:58

Curiosamente, Francisco disse o que está entre aspas, mas não disse o que o escrevedor da notícia diz que disse :)

Sem generalizações - nem todos os americanos são puritanos, tal como nem todos são hipócritas em relação ao sexo, nas Américas ou nas igrejas. A questão é que há sexualidade, há pornografia e há indústria da pornografia (a massificação) - e, objectivamente, foi desta que Francisco disse estar fora da perspectiva do seu deus.
Imagem de perfil

De Pedro D. a 24.09.2018 às 08:59

o deus dele devia preocupar-se com o sexo "dentro da igreja" e não fora dela...
Imagem de perfil

De Sarin a 24.09.2018 às 09:22

Pela primeira vez aparece um Papa a preocupar-se mais com o sexo dentro da igreja e menos com o sexo fora dela.
Há que ter noção do Onde e Para Quem foram proferidas tais palavras... um dos problemas da comunicação é a falta de contexto - contrariamente ao que vi ao João Paulo II, Francisco não se dirige para fora do seu rebanho, e falar de um tema nunca foi sinónimo de falta de preocupação com outros.

a palavra a quem a quer




logo.jpg




Localizar por cá

  Pesquisar no Blog




Memórias

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.