Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



7-2-1.png

 

Este espaço nasceu em 2018. Sem objectivo que não o ter um ID para comentar, não nasceu para ser blogue e eu nunca soube a data em que se transformou. Caso tenham interesse, encontram pormenores sobre esta evolução em coisas cá do burgo, na coluna à direita (ou abaixo, se ao telemóvel) . 

Numa curiosidade arqueológica, resolvi procurar o primeiro texto que pudesse considerar apropriado a um blogue, coisa com cabeça tronco e membros e que não envergonhasse se lido em voz alta no café. Na altura nem sabia ilustrar postais - não me interessava saber, sequer; por isso chamar texto ao tal primeiro postal.

Fui ali à Cave do Tombo e comecei do princípio, que é por onde se deve começar estas coisas. Lidos alguns, nenhum que me envergonhasse num café, devo dizer, resolvi-me a encontrar o momento em que eu me considerei bloguista, alguém que escreve com a consciência de que os temas que aborda e os textos que publica serão lidos por desconhecidos.

Não continuei a pesquisa porque tropecei num texto que colava muito bem num postal que estava a escrever. Um texto que tristemente desenvolvi em torno de um assunto absurdo e quase marginal. Coisa de neófita. Ou talvez, e porque neófita nos blogues mas não no escrever e muito menos no observar a sociedade, coisa de quem atenta em pequenos sinais e os trata com maior relevo do que então merecem.

Resgato-o agora desse seu afinal não tão pequenino absurdo - e não tão pequenino porque preconizador de uma realidade que nos vem confrontando mais rapidamente do que o desinvestimento na educação e na cultura.

Há precisamente dois anos e vinte e cinco dias, escrevi a propósito de uma noticiazinha envolvendo um autarca luso,

Há notícias que me espantam por serem notícia. Não porque conteste o trabalho do jornalista mas porque o facto noticiado é absurdo.

Perante tal, questiono-me: devo contestar, ecoando assim o absurdo e dando-lhe mais um meio de projecção (vale o que vale) ou é melhor simplesmente ignorar e deixar a outros a função de debater (ou apenas abater) tal notícia, tais notícias?

Não sou jornalista, não sou justiceira... mas, caramba, há factos que ofendem a minha sensibilidade e a minha inteligência! Factos que não me espantaria encontrar em algumas terras dos EUA profundo, por exemplo, onde o ensino ministrado em casa aliado a abusos em nome da liberdade de culto podem eternizar resistências várias a outras interpretações que não as instituídas na comunidade. Certamente haverá exemplos destes em África, na América, na Ásia, na Europa e na Oceania, não se pense que acredito ser um exclusivo de alguns norte-americanos do Tio Sam.

O obscurantismo nasce e propaga-se enraizado nas certezas incontestáveis sem qualquer base científica - matéria de fé, de crença, portanto; e não necessariamente relacionada com um credo. E se não discuto as fés de cada um, permito-me questionar a matéria que as suporta. Por outro lado, o obscurantismo alimenta-se do silêncio, da não contestação - e chegada aqui acabo por descobrir a resposta para a minha dúvida inicial.

Suponho que as teorias da conspiração nascem exactamente neste meio-espaço entre o evitar o obscurantismo e o não divulgar toda a informação... como se os seus criadores precisassem desesperadamente de respostas. No fundo, a mesma necessidade que conduziu às várias religiões da Humanidade.

 

E depois, temos em Portugal, um País civilizado, com ensino obrigatório, com acesso não controlado à informação, onde a ciência tem espaço lado a lado com a religião... temos em Portugal, dizia eu, gente que, fazendo tábua rasa da genética e confundindo características somáticas com esta, gente que representa os seus concidadãos e que cria ONG para isto.

A evolução passou-lhes ao lado? Não tiveram aulas de Biologia? Ninguém lhes explicou a diferença entre fenótipo e genótipo e as regras básicas da hereditariedade?! Caramba, estas são perguntas de retórica - o nosso ensino não é assim tão mau!!! 

 

O título do postal era Deixem os nossos bebés em paz... e nos dois últimos parágrafos, muito específicos e debruçados no tema, questiono sarcasticamente os porquês de quem defende teorias que contrariam evidências científicas mais do que estudadas e sustentadas. 

Ainda não investiguei se este autarca se terá entretanto aliado ao Chega. Mas não me admiraria. 

Não, não estou a ser sarcástica: todos conhecemos as manhas do Ventura. Mas já ouviram o João Tilly? Procurem no You Tube. E tomem atenção às falácias a que recorre, às dúvidas que levanta, às respostas que insinua. E atentem no cuidado com que, após a omnipresente acusação "eles escondem" que nunca identifica quem esconde, logo acrescenta "atenção, que eu (ou nós) não tenho dados que me permitam afirmar" o que antes afirmou. Não, a mentira grada não é do agrado desta malta. Levantar dúvida é o seu método, destruir a confiança nas instituições é o seu objectivo.

Ventura continua a ser um oportunista que aproveita o caminho que lhe garanta notoriedade e poder. Mas o Chega já não é só Ventura, há quem trabalhe na sombra promovendo a dúvida nas instituições, nas ciências, nas leis, usando sempre o mesmo discurso: "eles ocultam". E agora eles, os do Chega, procuram financiamento

 

Se tenho medo do Chega? Não. Tenho é medo de que quem ouve os seus argumentos lhes não veja as falácias. Tenho medo de que quem se sente à deriva se enrede nos seus chavões. Tenho medo de que quem vê as instituições falharem acredite nas suas teorias da conspiração. Tenho medo de que quem os aplaude o faça por falta de outra explicação.

E tenho muito medo de que os partidos da nossa democracia não percebam neste oportunismo a consequência da falta de transparência, da falta de entrega à causa e à coisa pública, da falta de respeito pelos eleitores, da falta de investimento nos cidadãos.

 

Imagem: Capa do Charlie Hebdo no 4ª aniversário dos atentados.

Recolhida no Observatório da Imprensa

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 18:31

Onde ideias-desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor.


Obrigada por estar aqui.



4 comentários

Imagem de perfil

De JB a 10.06.2020 às 12:59

É isto mesmo, a maneira mais rápida e fácil de sentir ‘bem’ é mesmo mandar outros abaixo. Conheço pouco do João Tilly, mas encaixa no perfil ‘ressabiado’ que para mim é condição sine qua non para ser racista.
Ha muitos bem sei, mas em Portugal não passarão, somos um paìs velhinho e sábio. Não papamos esses grupos.


Beijinhos Sarin
Imagem de perfil

De Sarin a 10.06.2020 às 13:07

Para não paparmos estes grupos temos de os expor, de lhes esventrar os argumentos! Somos um país velhinho, sim - mas idade não é exactamente sinónimo de sabedoria. Já me contento com a resistência :)))
Beijos, JB, e que nunca falte a força para os travar
Imagem de perfil

De JB a 10.06.2020 às 13:10

Isso é certo. Direi então, somos um país velhinho e culto! Somos sábios. ;)
Ha muitos velhos que não sabem nada bem visto, não é o nosso caso.
Imagem de perfil

De Sarin a 10.06.2020 às 13:28

Oxalá, oxalá...
(E dizes tu que sou optimista!)

[a palavra a quem a quer]:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.




logo.jpg




e uma viagem diferente



Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D