Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



De Espanha, os casamentos...

por Sarin, em 11.11.19

 

O PSOE ganhou as eleições. Mas dizem que ficou pior do que antes, que a Sanchez será mais difícil formar governo agora que a direita sai reforçada.

Antes de tudo, convém dizer que a direita está praticamente onde estava, apenas ganhou 3 deputados (o mesmo número que o PSOE perdeu) tendo passado por um processo autofágico: o Ciudadanos cedeu 47 dos seus deputados, dos quais 28 ao Vox  (passa de 24 para 52) e 19 ao PP (passa de 66 para 88)

Ao contrário dos analistas, desde os especialistas a todos os outros mais bem ou mais mal informados, penso que Sanchez terá condições para  formar governo mais facilmente.

O Podemos perdeu o papel de fulcro, a governabilidade já não depende apenas de Iglesias - que, se antes poderia ter a pretensão de dominar quatro ministérios, neste momento não estará em posição de exigir muito. A menos que não se aperceba dos sinais de instabilidade no reino, o mais notório o esvaziamento do Ciudadanos para os partidos à direita.

Por outro lado, os partidos autonómicos têm tudo a ganhar e talvez consigam trazer a debate a revisão constitucional que as revisões dos estatutos autonómicos de 2006 evidenciaram necessária. Não terão deputados suficientes para a aprovar e levar ao Senado, já que o PP e o Vox nunca votarão a favor de mais autonomia, mas poderão colocar na rua a discussão "Mais autonomia vs Independência".

E, entre todos estes, Sanchez pouco mais poderá fazer do que gerir e tentar manter a governação à esquerda.

Tenho por improvável a coabitação prolongada do PSOE unificador com os independentistas - acordos pontuais visando afastar a direita, ser-lhes-à fácil; mas Sanchez quer uma Espanha coesa e não acederá a quaisquer medidas que robusteçam independências no médio prazo.

Ainda assim, suponho que o novo governo esteja em funções tempo suficiente para que o debate sobre maior autonomia ganhe força. Talvez que se dominem os ímpetos independentistas e, por equilíbrio de forças, também a extrema-direita.

E não, não é apenas por ser meu desejo - em 2006 a Catalunha apenas queria mais autonomia. E se o terrorismo independentista basco atemorizou e devastou famílias durante anos mas não enfraqueceu os governos, estes 13 anos de braço-de-ferro com a Catalunha provaram que os governos ficam muito mais vulneráveis quando tentam minar os processos políticos.

[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 14:06

Obrigada por estar aqui.



3 comentários

Imagem de perfil

De /i. a 11.11.2019 às 18:54

A Espanha é um país que cada um rema para si e sobra a Andaluzia. Que é uma província pobre e que depende muito do orçamento geral. E este Rei não tem pulso para ser o maestro da (sempre) orquestra desafinada. 
Imagem de perfil

De Sarin a 11.11.2019 às 19:09

Também penso ser esse o problema, /i., um país de muitas nações distintas que nunca conviveu bem com as anexações.
Resta a Andaluzia? Tem partido independentista... Desde 1641, pelo menos, embora muito discreto. Mais activo agora que a Andaluzia pariu o Vox, o tal equilíbrio de forças extremas.
Imagem de perfil

De /i. a 11.11.2019 às 19:34

Resta a Andaluzia no sentido de querer ser independente, mas não tem unhas para tocar a guitarra. É pobre. Não tem a pujança económica das outras provincias. Sim o Vox foi onde teve mais votação. Porquê? Um pouco como aconteceu com o chega no Alentejo. Exploram o descontentamento das pessoas. 

[a palavra a quem a quer]




logo.jpg





Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D