Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



das raças, dos sensos e dos censos

por Sarin, em 20.06.19

057AB2BB-7467-4C80-ADA6-4649E70551D1.jpeg

 

Nunca percebi isto das raças humanas. Caucasóides, Negróides e Mongolóides sempre se esboroaram nas perguntas que fazia, nenhuma resposta antiga satisfazendo as minhas dúvidas.

Segundo o que li e continuo a ler, as classificações das raças humanas baseiam-se em questões anatómicas: o formato do crânio, do nariz, do maxilar, da testa... e não, abaixo do queixo não apresentam grande distinção, esqueçam lá isso.

A frenologia é uma pseudo-ciência, desvalorizada por praticamente todos os investigadores dado não apresentar sólidas evidências que relacionem a estrutura dos ossos do crânio com a personalidade do indivíduo; mas no século XIX tinha alguma validade e chegaram a consultar frenologistas em matéria de criminologia. Bom, eu penso que as teorias racialistas estão ao nível da frenologia. 

Peguemos numa das que dizem ser distinções das raças: o formato do crânio. Os negróides têm crânio dolicocéfalo, mas alguns têm-no braquicéfalo; os mongolóides têm crânio braquicéfalo, mas alguns têm-no dolicocéfalo; e os caucasóides sem dúvida que o têm dolicocéfalo, mas nem todos porque os há braquicéfalos. Estes "alguns" e "nem todos" não são indivíduos aleatórios mas grupos de indivíduos originários de uma mesma região, a que atribuiram a classificação de sub-raças. Suponho que outras diferenças dentro das sub-raças definiriam sub-sub-raças, mas talvez aos investigadores racialistas não seja útil seguir por aqui, não vão descobrir sub-sub-raças negróides cujas características sejam iguais a sub-sub-raças caucasóides - é que perante tal nem os mais astutos se desembrulhariam e poderiam os dados acabar por autopsiar de vez uma teoria que, para esta leiga, se assemelha a uma fraude maior que o Homem de Piltdown. 

Então, se um negróide pode ter as mesmas características que um caucasóide, como se define a raça? "Pela cor da pele." Ah, a cor da pele, essa barreira...

E, assim, cheguei aos dias de hoje acreditando não existirem raças humanas. E cada dia mais convicta. Até porque entre animais selvagens falamos de sub-espécies, raças reservamos unicamente para os animais domesticados. Raça é uma criação humana, não apenas o conceito, que esses são todos, mas a própria diferenciação anatómica tão cara aos criadores de puros-sangue de tantas espécies.

E lembremo-nos da escravatura, que vai muito além daquilo que os nossos lusos ancestrais fizeram e que deles não foi nem invenção nem exclusivo: escravatura é todo o acto de subjugar um indivíduo, domesticando-o e considerando-o propriedade. Numa época pós-iluminista em que barcos de expedição se cruzavam com barcos negreiros sem qualquer rebuço, seria natural, fácil e até politicamente relevante racificar a humanidade. E não confundamos raças com castas, por favor. Penso que ter uma base científica para justificar o tratamento desigual lhe seria, à sociedade ocidental, muito mais racional e adequado aos tempos dos grandes filósofos modernos - uma excelente justificação para costumes antigos e economicamente confortáveis. 

Mas não, creio pelas evidências científicas que o homem se adaptou a quase todos os climas, e nisto seremos das poucas espécies conhecidas assim quase ubíquas, e com os diferentes climas surgiu a diferenciação na organização social dos indivíduos e na organização de algumas células do indivíduo (não valerá a pena falar desta questão, na escola falámos de hereditariedade e da teoria das espécies, e todos saberemos que os olhos e pele clara são típicos dos nórdicos e que a pele clara fica normalmente morena ao sol - excepto talvez a daqueles indivíduos que têm pouca melanina e muita pressa de a activarem, o que apenas lhes vale queimaduras de primeiro e segundo grau). Com a incursão dos povos noutros territórios, noutros povos, as características deixaram de estar concentradas em grupos homogéneos - globalizaram-se de acordo com a dominância genética em cada reprodução.

 

Vem esta longa introdução a propósito dos censos e daquela pergunta que o Grupo de Trabalho criado pelo Governo tinha recomendado ao Instituto Nacional de Estatística, e que este recusou: a que grupo étnico-racial pertencemos, cada um de nós.

Pergunta cuja recusa fez alguns actores políticos e comentadores da nossa praça arrancarem os cabelos e acusarem o INE, o Governo, a Oposição, e até talvez a Maria da Fonte, de quererem empurrar o assunto do racismo com a barriga.

Pessoalmente, agradeço que a tenham retirado, pois perante tal pergunta sou muito bem capaz de me dizer túlipa arraçada de pão-de-ló - porque, vejamos, não será pertinente começarmos por esclarecer muito bem o que é isso de "grupo étnico-racial"?

Grupo étnico percebo, compreendo, aceito, respondo. Embora não ao Gabinete dos Censos, mas já lá vamos. Etnia é cultura, vivência, povo. Agora, raça... tecnicamente pode ser sinónimo de família, de grupo com usos e costumes iguais entre si. Mas a confusão que vai, que nos vem de séculos, com este conceito, parece-me mais do que suficiente para desaconselhar o seu uso em questões desta natureza.

E, afinal, no Grupo de Trabalho e no grupo dos comentadores descabelados, defendem a existência de raças humanas?

Porque se com a pergunta querem respostas para aquilatar a dimensão do racismo em Portugal, penso que deveriam começar por esclarecer de que racismo falamos, do que se centra no grupo com hábitos distintos ou naquele que tem por alvo o indivíduo com fenótipo diferente - e que fenótipo. Porque não acredito que as loiras sejam burras, e assim morena aguardo interessadíssima o esclarecimento desta questão "etno-rácica" e de quais os fenótipos que entendem dignos de nota. Também não percebo como pretendem medir o racismo por aqui, mas primeiro esclareçam-me estas questões, por favor.

 

Note-se que defendo que se conheça com a maior exactidão possível os grupos étnicos que compõem a nossa sociedade, mas este aprofundar maciço por parte do Estado levanta-me várias dúvidas sobre a sua interpretação: será um açoriano do mesmo grupo étnico que um transmontano? E um cabo-verdiano de 50 anos que chegou a Portugal há 44 e que de Cabo Verde guarda as mornas e o embalo da grande Cesária, a que grupo étnico pertence? E um português filho neto e bisneto de ucranianos, qual a etnia se nem fado nem hopak?

Desculpar-me-ão a falta de clarividência, mas não percebo de que serve ao Estado usar os censos para conhecer os grupos étnicos e a sua dimensão. O Estado deve preocupar-se com estabelecer regras de cidadania iguais para todos, sem adaptações. Ou estaremos a querer legislar em função da etnia?

A etnia importa, e deve ser tida em conta quando se lida com as pessoas. Por exemplo, quando se metem famílias inteiras em bairros sociais criados para o efeito - se os apartamentos são destinados a grupos que fazem da cozinha o centro da casa, por que demónios insistem em construir cozinhas minúsculas e salas enormes? Este é apenas um exemplo, minúsculo, de como o desconhecimento, a irrelevância dada à etnia, cria muros cujo derrube sai caro.

E não é um inquérito de 10 em 10 anos que caracteriza as pessoas. Isso faz-se no terreno. Todos os dias. Com outras ferramentas.

 

 

imagem: Gulliver em Brobdingnag, de Jean Grandville. de domínio público. colhida na Wikipédia

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 16:45

Onde ideias-desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor.


Obrigada por estar aqui.



25 comentários

Imagem de perfil

De MJP a 20.06.2019 às 19:29

Curiosamente, a comunidade cigana é a que melhor conheço... na escola, sempre, tive colegas de etnia cigana (e sei bem do que falas)... mais tarde, enquanto profissional de saúde, acompanhei vários utentes paliativos de etnia cigana (e as respectivas famílias/comunidade), no seu meio (no domicílio)... foram experiências muito gratificantes, de intensa aprendizagem... tenho, também, alguns amigos de etnia cigana! :)


É como escreves... é preciso trabalhar cada comunidade... 

[a palavra a quem a quer]




logo.jpg




e uma viagem diferente



Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D