Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Clariana e a Noite

ou mais um ponto no Desafio do Conto

por Sarin, em 12.05.20

Ainda não dera o dia por findo quando a Clariana me entrou em casa sem nome nem história, apenas um convite timbrado a carinho e interrogação, a Olga Cardoso Pinto iluminando-me uma personagem à qual mais tarde ela mesma traria cor, A Cor da Escrita e a cor da pintura que lhe deu rosto. Já avistara o seu nome na Área de leitura corrida sem tempo, os gansos com ela passeando por blogues onde apenas não nos encontrámos pois ainda não dera a semana por finda naquela noite de sexta-feira. Sim, já a avistara mas muito de longe, muito de leve, muito de pouco. Até que me pediu direcção.

Não poderia deixar a Clariana parada num destino por traçar - a criação da Ana de Deus sendo moldada em cada blogue onde acolhida e eu negando-lhe passagem? Aceitei, claro. E assim acrescentei as minhas 200 palavras, qual troço de um caminho incerto mas certamente divertido para nós que o partilhamos. Que o seja também para quem o percorrer, lendo.

À Clariana desejo uma longa e próspera jornada, daqui rumando ao Caneca de Letras e mais além, a bússola agora para as mãos do Filipe Vaz Correia e sempre apontando a mesma tag, o mesmo norte: desafio do conto.

 

Clariana, a pastora de gansos

Clariana, a pastora de gansos. Desafio do Conto. Imagem de Olga Cardoso Pinto.

[ANA DE DEUS]       «Era uma vez uma jovem mulher, de seu nome Clariana, que pastoreava gansos. Ela era o primeiro ser vivo que os gansos reconheciam, desde tenro berço, e eram lhe totalmente fiéis. Aprendera com o avô todos os segredos desta mestria.» 

[AMOR LÍQUIDO]       [BII YUE]       [JOSÉ DA XÃ]       [MJP]       [LUÍSA DE SOUSA]       [IMSILVA]

[OLGA CARDOSO PINTO]       «(...)Rodrigo se virou, para ir acomodar-se à mesa, eis que Juca se apercebeu de algo a remexer-se sob a gabardina. E agora que reparara com mais pormenor, o rapaz caminhava de um jeito estranho. Tentou aproximar-se, mas Rodrigo acabara de se sentar, tinha perdido a oportunidade.

A tarde foi decorrendo num lento remanso, só se ouvia a passarada lá fora e a voz melodiosa de Rodrigo. Talvez fosse do tempo ameno ou da conversa desfiada, em tom relaxado e levemente sibilado pelo jovem, todos estavam a ficar ensonados. As pálpebras pesavam aos pais, não conseguiam evitar o bocejo constante. Porém, Clariana estava embevecida, sorvendo as palavras de Rodrigo que lhe pareciam mel, num encanto que a envolvia numa dormência irresistível. Juca e Izabel não resistiram e acabaram adormecendo de cabeças encostadas, em ligeiros roncos e desfalecidos, pesadamente recostados no banco arca da cozinha.

A noite caíra. O céu adornado pelo pontilhado brilhante das estrelas, refulgiu quando as nuvens revelaram uma imensa lua cheia. Clariana acordou sobressaltada, não sabia onde estava. Sentia frio. Olhando em volta levantou-se, perguntando assustada:
— Onde… Onde estou? — ouviu passos no cascalho e apercebeu-se que estava numa gruta ao ouvir o eco da sua voz.»

 

[EU]       Um gemido respondeu ao eco ecoando quando Clariana se ergueu, os olhos procurando quem assim plangente. Não era gente mas a Noite, dorida da queda antecipada pela voz dourada de Rodrigo, Clariana amargando o mel que lhe escorrera nos ouvidos e tentando encontrar um norte ou um sul para aquele tão sem sol onde se encontrava. A Noite percebeu-a perdida e um sorriso iluminou-lhe os brancos dentes perfeitos na cara de lua cheia, o traje de lua nova esvoaçando no estender de mão daquela criança.

- Nada temas, Clariana, eras esperada. Mas não te sabia tão perto e precipitei-me...
- Estás magoada?
- Estou, mas melhorarei, agora que tu aqui. Vem, adentremos a Gruta dos Tempos e ouçamos Eurico, o presbítero que a habita. O Avô vai adorar receber-te!
A saudade em Clariana suspirou, cheia de penas.
- O meu Avô também era Eurico. Foi quem me ensinou a amar os gansos e…
E a Noite, impaciente, cortando:
- Sim, eu sei, o Avô já me contou. E por te saber tão boa aluna enviou o Ganso Rodrigo para te trazer… o nosso Futuro precisa de tal arte!
Clariana olhou-a e percebeu nela um espelho, as semelhanças luzindo e as (...)

[Continua com o FILIPE VAZ CORREIA]       [CONTO COMPLETO]

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 03:37

Onde ideias-desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor.


Obrigada por estar aqui.



40 comentários

Imagem de perfil

De Ana de Deus a 12.05.2020 às 11:56

está tudo ok com a formatação e com tudo o mais. desculpa pela confusão.
beijos enormes 

[a palavra a quem a quer]




logo.jpg




e uma viagem diferente



Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D