Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Manifestações e confinamento I

Postal 1 de uma série de 3, a publicar hoje

por Sarin, em 08.06.20

original.png

Enquanto vivemos esta pandemia que nos confinou e ainda confina, têm eclodido por muito mundo manifestações contra o racismo e a violência policial, espoletadas pela morte de George Floyd mas, creio, devidas a todos os maus tratos e a todos os destratos sofridos na pele de outra cor, no formato de outros olhos, nos hábitos de outra etnia. [também abordo, noutra perspectiva, o tema destas manifestações aqui]

 

E há quem se insurja contra as manifestações e contra os manifestantes porque estão a violar a regra do distanciamento social.

É verdade, estão. E eu defendo o distanciamento desde o início. Continuo a defender, até provas que contrariem ser esta uma das melhores acções de contenção do vírus.

Tal como defendi e defendo que não podemos nem devemos estar presos em casa, desde que, e reforço este desde que, respeitadas as regras de distância, higiene e etiqueta respiratória (agora com máscara, assim a saibamos usar).

Também não aprecio manifestações de rua. Posição minha: sou um ser social que não aprecia multidões por reconhecer as dinâmicas de grupo e desconhecer as intenções do manifestante do lado, cada vez menos claras.

Não as apreciando, reconheço o peso que as manifestações podem ter na formação da opinião pública, na captação de atenção mediática, na pressão junto do poder político. Mas nem interessa se gosto ou reconheço validade às manifestações, estas ou outras - defendo o direito de manifestação, e é quanto basta para não me insurgir quando ouço falar nelas, mesmo em tempos de pandemia (desde que, cf. acima).

E defendo o respeito pelas orientações legais definidas para o nosso comportamento, pois que de base democrática e orientadas pelos Direitos Humanos.

Tanto como defendo o direito de objecção de consciência, o direito de resistência e a não legislada mas reconhecida desobediência civil, que nesta métrica de obedecer tem de haver pesos e contrapesos de justiça.

 

Entre estes sins e estes nãos, quase pareço dividida quanto às manifestações em plena pandemia... mas tenho as ideias inteiras e claras. Muito claramente, parece-me que o racismo é mais letal que a covid-19, aliás, parece que a própria covid-19 é também racista em algumas democracias. E, segundo as estatísticas, o racismo tem demonstrado ser, também ele, altamente contagioso.

Chegamos assim ao ter de escolher entre distanciamento social para aplanar a curva da covid-19 e ajuntamento social para aplanar a curva da racismo-XXI. Como, sequer, ter coragem de criticar uma ou outra opção, dizer o que deve ou não defender, como deve ou não sofrer, e quiçá morrer, cada um de nós? Quem for da cor certa que vista a pele dos outros antes de tossir, que a curva da covid-19 é premente e recente e a do racismo, latente e prevalente.

Não, eu não me manifesto nas ruas. Escolho outras formas de manifestação. Mas percebo quem sai à rua contra o racismo e a violência policial - ou melhor, percebo quem pacificamente sai à rua contra o racismo e a violência policial, porque vandalismo ou cartazes como "um polícia bom é um polícia morto" e "make racists afraid again" não, não percebo. E percebo quem teme as manifestações por causa da covid-19 - ou melhor, percebo quem teme pelo não cumprimento das regras de distanciamento social, porque as críticas à realização como "realmente, não se percebe porque é que a situação em Lisboa é tão grave" ou a negação do direito de manifestação por comparações com "festivais de música" e "reabertura de estádios de futebol" não, não percebo.

Tal como não percebo quem acha "um exagero, tanta manifestação" - um exagero é um ataque racista, mais ataques são demasiados exageros. Sem exagero, as reacções nas redes e as manifestações quase ubíquas estão a provocar mudanças reais nos EUA. A forma como os dirigentes reagem às manifestações também pode provocar mudanças, Trump que o diga.

 

Enfim, a covid-19 é questão de vida e de morte. Tal como são de vida e de morte as reivindicações destes manifestantes. E quem achar que podem ser adiadas para depois da pandemia que se fique sossegado a aguardar-lhe o fim, porque é este um daqueles raros casos em que calar é ficar do lado da solução e falar é ficar do lado do problema.

imagem recolhida em Postal

parte das críticas surgiram associadas a esta fotografia. o que estranho, dada a quantidade de manifestações e de fotos disponíveis.

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 08:30

... ao que penso sobre os acontecimentos em torno da morte de George Floyd.

E por lá disse porque penso serem actos não fortuitos, não casuais, não exclusivamente norte-americanos.

A música que deixei bem merece a visita...

Apareçam! Já sabem que basta clicar na sardinha de transporte ;)

se clicar, ao sardinhaSemlata irá parar

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 17:15

Lentamente regressando ao burgo

por Sarin, em 03.06.20

Não faltam temas para abordar.

Mas falta-me o tempo de estar bem, que isto de ter doenças crónicas numa altura de confinamenteo é uma chatice e maior chatice quando o desconfinamento coincide com a pior época para a crónica - a doença e as que escrevinharia se esta deixasse...

E escasseia-me o ânimo ao ler incongruências e absurdos e atropelos escritos como vividos - sem pasmo nem alarme porque normais. As notícias destes dias... sempre soube a História cíclica, nunca a supus em ciclos tão curtos. Revivemos a corrida ao Espaço, revivemos os tumultos raciais, revivemos a nova alvorada do fascismo e do nazismo em países que supúnhamos - que se supunham! - bastiões da democracia. Os outros, enfim, os outros continuam iguais, as lentas conquistas continuando lentas, muito lentas - mas, ainda assim, sendo mais conquistas do que retrocessos.

 

Muito menos lentamente, a actividade costumeira aqui no burgo será retomada - mas tardará ainda um pouco. E incialmente estará a cargo da Almoxarife, preocupada que anda com os compromissos pelo Rasurando e pelo SardinhaSemLata... mas a Bobo e a Menestrel tentarão aparecer, irrequietas que são.

Em jeito de agradecimento pelo vosso apoio e preocupação, deixo-vos um vídeo original de Peter Gabriel com uma música cujo conceito urge recuperar: Games without Frontiers.

 

 

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 16:45

Onde ideias-desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor.


Obrigada por estar aqui.


Pág. 3/3




logo.jpg




e uma viagem diferente



Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D