Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Foi com muita honra que a Almoxarife se chegou às outras duas

e as informou que este burgo, este onde nos encontramos, havia sido, mais uma vez,

nomeado para Sapo do Ano na Categoria Generalista.

Já a Menestrel escrevia

pela sua própria mão

(com certo toque de artista)

um cântico de alegria

por esta nomeação

Como blogue generalista...

...

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 08:32

Confusões entre obra e obreiro

considerações sobre censuras várias

por Sarin, em 24.10.19

A1.jpg

Tenho este postal em rascunho há meses. Melhor pensando, tenho este postal em rascunho desde uma altura em que apenas escrevia postais em viagens, daqueles postais em papel, ilustrados, que mais não pretendiam do que ser lembrança. Mais concretamente, tenho este postal em rascunho desde 2009. 

Assistia a um concerto de Amy Winehouse num qualquer canal, e notei que a cantora estava ausente, desequilibrando-se constantemente e desafinando notas que normalmente dominaria. Muitos outros tiveram assim comportamentos, até em palcos à minha frente, mas por desconhecido motivo apenas naquele momento me surgiu a dúvida: deveria eu comprar discos, assistir a concertos, sequer ouvir as músicas de quem se auto-destruía e mergulhava nas drogas e no álcool até em pleno palco?

Pouco demorei a perceber que, embora lastimando Amy, eu não era sua amiga, não a conhecia, não tinha qualquer influência no seu círculo - e que, por isso mesmo, ao deixar de comprar o seu trabalho apenas por não concordar com a vida que levava e transportava para o palco, estaria a censurar uma opção que era dela, ainda que o fizesse por a querer saudável. Acaso fosse espectadora de tal concerto, eventualmente poderia reclamar, exigir devolução do meu dinheiro por quebra de contrato dada a fraca actuação, poderia até escrever cartas e artigos iracundos por me sentir defraudada com tal prestação ou apreensiva pela saúde da artista. Mas o consumo de álcool e outras drogas eram opções pessoais, e a minha relação com Amy não era pessoal, era artística porque ela a artista e eu a apreciadora, e por esta era também comercial, ela a fornecedora de produtos artísticos (embora por interpostas pessoas) e eu a cliente. Reflectir nas nossas relações artísticas e comerciais o meu desacordo com as suas opções pessoais seria boicote e censura moral.

Não boicotei nem censurei. Quando Amy morreu voltei a colocar-me a questão e obtive a mesma resposta, portanto o assunto ficou arrumado: repudiar o artista e a sua obra devido à discordância com o seu modo de vida é censurar as suas escolhas. Obra é trabalho, indivíduo é personalidade - e são questões distintas.

 

Devo afirmar que nem sempre pensei assim. Tempos houve em que as atitudes públicas de alguém me condicionariam a vontade de conhecer o seu trabalho, especialmente na literatura pois que muito forte transmissor de conceitos e preconceitos. Na verdade, continuam a condicionar; mas iniciar a descoberta da obra com algumas resistências ou permanecer dela ignara por discordar das opções do indivíduo são caminhos muito distintos. E lembro-me sempre do machismo, do racismo e do imperialismo do homem que disse "a democracia é a pior forma de governo, com excepção de todas as outras", um grande democrata que nem por isso atendeu aos direitos humanos antes dos 65 anos. Continuo a ter dúvidas se atendeu depois, mas sabemos que quase octogenário ganhou um Nobel pelos seus dons de "oratória em nome dos mais elevados valores humanos". Serve-me esta história de bitola, e adiante.

 

Quando surgiu o movimento #metoo a questão voltou a pairar-me na ideia. E coloquei-me na posição de solidária com as vítimas quando, quase simultaneamente, percebi que poderia haver vários tipos de vítimas, incluindo as vítimas de falsas denúncias e as vítimas de descontextualizações, aquelas que em tempos tiveram algumas atitudes vistas como normais à época mas das quais hoje se fazem outras leituras. Como fui comentando os linchamentos públicos sem entrar no julgamento dos actos que lhes davam origem, aos tribunais o que é dos tribunais, acabei por deixar passar a onda do postal mantendo a minha opinião: trabalho e homem devem ser apreciados e avaliados em planos distintos. Uma coisa é recusar determinado actor, realizador, produtor por querer proteger a restante equipa de tal personalidade ou, o mais comum, por ter medo da reacção dos espectadores. Outra, negar-lhe o mérito, retirar-lhe prémios e distinções que a sua obra merece. E aos tribunais o que é dos tribunais.

Mas em Fevereiro deste ano o tema voltou a bailar-me na memória, e foi quando tecnicamente o coloquei em rascunho. Quero dizer, apenas colei uma ligação a partir de onde desenrolaria o tema - um artigo sobre o afastamento de Bryan Singer dos BAFTA, na sequência de denúncias de abusos sexuais. Dei-lhe o título, colei a tal ligação... e nunca mais lhe peguei. Em Maio deparei-me com um artigo de opinião sobre a deslocação de Louis CK a Portugal, e pela primeira vez encontrava alguém que, deixando aos tribunais o que é dos tribunais, separava o homem e a obra no meio desta enxurrada benfazeja mas certamente com inocentes arrastados na lama, como em todas as enxurradas. Mas não me competia separar lama e homens, apenas obra e obreiro. E reavaliei a minha posição.

Reavaliar mais não é do que refazer o trajecto para detectar alterações na paisagem. Acrescentei com mais ênfase o profissional, já não apenas o artista. Mas, sendo embora o homem uno com a sua arte ou engenho, continuei a achar, continuo a achar, que obra e obreiro constituem mundos separados. Posso amar a obra e desprezar o obreiro, e relembro a bitola churchilliana.

Analisei também a posição das academias que entregam tais prémios... Dizerem que os prémios servem para distinguir os melhores profissionais mas depois dependerem essa distinção (ou outras) de "valores" ["Bafta considers the alleged behaviour completely unacceptable and incompatible with its values"] apenas exsuda um moralismo muito flutuante e transforma os prémios que deveriam ser de mérito em alguma coisa que não é nem deixa de ser. Como faremos com essa coisa do mérito se lhe metermos a moral como padrão - e que moral? Vamos cortar a História, como perguntou Dame Judy Dench a propósito de Kevin Spacey?

Outros assuntos mais prementes surgiram, e o postal continuou em rascunho... até que surgiu a polémica com um dos nomeados para o Nobel da Literatura, Peter Handke. Surgiram os apoiantes e os opositores da sua obra, mas as grandes oposições à atribuição do Nobel passaram pela avaliação do seu apoio a Milosevic - passaram, portanto, pelas suas atitudes políticas e não pelas suas capacidades artísticas. O homem a ser confundido com a sua arte, com a sua obra - e atacou-se a arte, atacou-se o artista, atacou-se o profissional, atacou-se o mérito, porque se discorda do homem ou porque se desgosta das suas opções ou porque se lhe vê imoralidade. Não apenas se relevou o homem em detrimento do artista, que é afinal o que está em causa, como se tentou que outros lhe negassem mérito por motivos em nada relacionados com a sua arte ou com a sua obra.

E isto, à semelhança do que vinha ponderando desde Amy, nada mais é do que censura. É negar ao artista, ao profissional, o direito de o ser porque se discorda do seu carácter ou se considera que as suas opções são moralmente condenáveis. É o querer impor aos outros o seu próprio paradigma, condenando, eliminando até, todo o trabalho que não seja fruto dos eleitos.

Defendo o direito ao boicote, mas peço que se pensem as causas de tais boicotes. E peço mais, peço que não avaliemos o mérito pela personalidade, a obra pelo indivíduo, não os coloquemos sequer no mesmo plano ou acabaremos mutilando todos os santos nos seus pés de barro. Mais uma vez, a bitola churchilliana.

 

Ainda sobre esta questão das censuras, vi ser publicamente questionado o direito de um professor se pronunciar também publicamente sobre uma matéria da sua área, invocando como motivo para o seu (defendido pelo questionador) silêncio o ter estado esse professor ligado a um caso alheio à sua dissertação e sobre o qual não foi, até à data, acusado de qualquer crime - nem sequer no artigo em que se pedia o seu silêncio e até o seu afastamento dos holofotes, num apontar de dedo a quem lhe deu espaço ou visibilidade. Declarado tal comportamento como imoral, no entender de quem questionou seria isto suficiente para substantivar o congelamento do seu direito de expressão.

Basicamente, a mesma questão desde Amy, moralidade versus arte e engenho, mas exponenciada a outro nível. Se nos casos de Amy e de Louis CK a censura passaria por um boicote pessoal e nos casos de Singer e de Handke pela não atribuição de um prémio, já no caso deste profissional a censura passaria por lhe cercear direitos básicos e constitucionais.

Entendamo-nos:

1. No nosso código penal, imoralidade não é sinónimo de ilicitude.

2. Num estado de direito, não podemos invocar a presunção de inocência para uns e negá-la a outros.

3. Se defendemos a presunção de inocência - que nada tem a ver, que não impede e que deve mesmo ser concomitante com o exigir recursos, celeridade e seriedade à Justiça - defendemos que um indivíduo não perde o seus direitos de cidadania quando alvo de suspeitas, muito menos por questões morais.

4. Se aceitamos este princípio, então ao questionarmos o direito que um indivíduo tem em expressar opinião, ainda para mais na sua área de trabalho, estaremos a fazer exactamente o quê senão a tentar encontrar fundamento para o censurar? 

 

Não gostar do indivíduo e discordar das suas opiniões não é o mesmo que questionar o seu direito a expressá-las, mesmo que se acredite o indivíduo culpado de um crime pelo qual não foi acusado. Apoiar artigos de tal professor não é o mesmo que apoiar as suas opções pessoais. Tal como ler Handke não é apoiar Milosevic ou como rir com Louis CK não é aplaudir a sua vida sexual ou como ouvir Amy Winehouse não é fazer uma apologia do vício. E tal como enaltecer a capacidade de liderança de Churchill durante a Segunda Guerra Mundial não é subscrever a repressão colonial que então defendia. E muito mal vai a democracia quando não se percebem estas diferenças.

 

Nota 1: Não tenho quaisquer: interesses sobre os bens materiais ou imateriais, ligações familiares, partidárias ou outras a nenhum dos referidos - li um livro de Handke, gosto de Amy, não aprecio CK Louis, dos filmes produzidos por Singer guardo de memória (e que memória!) Os suspeitos do Costume e do professor apenas subscrevo a opinião que defendeu num artigo que motivou o tal artigo onde se pede o seu silêncio.

Nota 2: Não faço ligação ao artigo que invoco pois para o fazer teria de desmontar, esmiuçar tudo o que nele foi dito, incluindo a indignação que o motivou. Não vale a pena.

Nota 3: Tenho a sensação de que repito demasiadas vezes obra obreiro... mas o postal é longo, debruça-se exactamente sobre tais temas e eu estou bastante desinspirada. Desculpem qualquer coisinha.

imagem: Chema Madoz

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 20:45

Pas-de-moi

por Sarin, em 23.10.19

3CB292D1-D355-4AA0-AC20-B6DBB890DB9B.jpeg

 

Não tenho paciência para estar impaciente. A impaciência é um espaço prenhe do ruído da espera, e eu não sei esperar que não em silêncio.

Exijo clamando, mas esperar... apenas desfolho sons sem perturbar equilíbrios dormentes em pontas de pés. E em passos miúdos aproximo-me do presente.

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 23:07

desafio de escrita dos pássaros #6

O amor, uma cabana, as geladeiras e um frigorífico.

por Sarin, em 18.10.19

[Tema #6 Escreve uma história romântica baseada no clássico "O Amor, uma cabana… e um frigorífico"]

PuppyLove.jpg

O amor, uma cabana, as geladeiras e um frigorífico

Mergulhámos na Serra de Montejunto, o Outono caindo quente nas folhas como nós no chão, perdidos ambos de amor e riso. Buscávamos a Real Fábrica do Gelo, queríamos visitar onde nasciam blocos que enchiam geladeiras antes de Edison e de Tesla. Tropeçámos e rebolámos fora dos trilhos que nos haviam indicado, apenas o Tempo esperando por nós e mais ninguém.

Quando, inesperada, a chuva despiu as nuvens, procurámos abrigo onde despir as roupas leves de água pesando, onde aquecer os corpos húmidos das gotas e dos beijos. Encontrámos, entrámos numa velha cabana abandonada onde entraste em mim abandonando-nos ao calor e, mais calmos, rimos na palha que ali restava e restolhava sob os nossos suspiros ainda quentes. As alergias não tardam, disse, sorrindo. Gelarei o sangue se assim te as evitar, afirmaste, sabendo que sofreria feliz todas as asmas desde que tu comigo.

Sussurraste vendavais na minha pele, lá fora gotas ressoando enquanto me distraías com histórias frias. Lembro a última, a do homem que vai ao médico porque a esposa teima que ele não sabe dizer Frederico, contaste com voz grave. “Mas… o senhor diz Frederico muito bem!”, responde-lhe o médico, e tu sisudo, “a sua esposa ou é surda ou quer guerra!”, os teus lábios movendo sulcos na minha quase desatenção. “O médico disse que eu falo bem e que tu és uma chata”, disse o homem chegando a casa, “e se fazes favor abres o frederico e dás-me uma cerveja!” Eu ri, a gargalhada afundada no teu peito que cheirava a quente e a homem, ao meu homem. Ris-te com o corpo todo, afirmaste enquanto te encaixavas nas minhas pernas e nos rodavas. Quero ver-te sempre assim. Quero ter-te sempre assim. Fiquei sem ar sobre o teu peito, esquecida da palha da asma de tudo menos do amor nos olhos que me lambiam. Casa comigo. Cabana, que seja, mas comigo. Ri-me e amei-te nesse dia com a fome de uma vida passeada a dois.

Visitámos a Real Fábrica do Gelo várias vezes, mas não naquela.

Uma cabana, cinquenta anos e algumas casas depois, os meus olhos ainda humedecem no sol dos teus, as rugas das tuas mãos despertando brisas na minha pele cansada mas nunca de ti. E o meu corpo ainda riu inteiro na ternura com que há pouco venceste a artrose e de mão estendida me piscaste um Vou ao frederico buscar uma cerveja.

 

Nota de roda livre: a Língua Portuguesa apenas quer amor e uma cabana. Ao frigorífico o AO90, e até queimar.

Imagem: Healing Love Notes

[Desafio de Escrita by Pássaros]

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 15:00

Sapos do Ano 2019

Compilação

por Sarin, em 18.10.19

Os Sapos do Ano estão de volta.

feliz.jpg

Este é o postal [de compilação] de todos os postais que escrevi e escreverei sobre os Sapos do Ano.

De 2019, claro!

aguardando.jpg

Não terei de me esticar toda para os procurar...

procurar.jpg

..mesmo que ainda não tenha o símbolo oficial para aqui publicar. 

danada (1).jpg

 

Eis os postais!

*Ainda os Sapos do Ano 2019

* Os Sapos do Ano dizem Adeus

* No blogue dos Sapos do Ano

* Sapos do Ano: as nomeações, as crises de identidade... e a sociedade

* Problemas de identidade continuam...

* Nomeado para Sapo do Ano é reincidente e ainda sofre crise de identidade

* À conversa com os finalistas de 2018 (no blogue Sapos do Ano)

* Sobre Eleições

 

E ainda podem espreitar os postais dos Sapos do Ano 2018 aqui.

 

imagem 1: Linas T/Shutterstock, via  Vix

imagem 2:  Karaokenet

imagem 3: Reprodução/Urs Schmidli, via UOL

 imagem 4: Robin Moore, via Hypescience

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 10:00

Repositório de emprestados 2019.03

por Sarin, em 18.10.19

postais de outros

Postais de outros autores marcados como favoritos até  de 14 de Novembro de 2019

Fazes-me faltaIsa Nascimento em 14 de Novembro 2019

Crime e terrorismo é quando a direita quiserjosé simões em 13 de Novembro 2019

"O vento cala a desgraça ..."júlio farinha em 8 de Novembro 2019

"Song To Say Goodbye"bikeazores em 8 de Novembro 2019

MANUEL, ANDRÉ, JOACINEJ.J. Faria Santos em 12 de Novembro 2019

Sociedade de inquisidoresAmato em 8 de Novembro 2019

Ruacheia em 9 de Novembro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #9livrologia em 8 de Novembro 2019

Musicas de sempre (58)júlio farinha em 3 de Novembro 2019

No reino das folhas caídasAlice Alfazema em 4 de Novembro 2019

Jorge de Sena e a nossa culpaEremita em 2 de Novembro 2019

A "Noite"Maria em 2 de Novembro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #8: Uma carta para a criança que fuibelinhafernandes em 1 de Novembro 2019

desafio de escrita dos pássaros #8 - CrescendoMiluem em 1 de Novembro 2019, 15:00

Ó Menina na Greve #6ó menina em 31 de Outubro 2019

Sou eu que sou maluca ou...blogdealgo2 em 31 de Outubro 2019

ElegânciaDelito de Opinião em 31 de Outubro 2019

Coisas da NaturezaMariali em 30 de Outubro 2019

Outubros.naomedeemouvidos em 30 de Outubro 2019

Se cabe num tweet é políticajoaoferreiradias em 30 de Outubro 2019

Greve nos Call Centers a 31 de Outubro (empresas abrangidas)ó menina em 27 de Outubro 2019

Ruído por dentroRicardo Nobre em 21 de Outubro 2019

Porque a conversa já cheira malRicardo Nobre em 28 de Outubro 2019

O LIVRO E O LIVRE - DA FICÇÃO À REALIDADEJ.J. Faria Santos em 29 de Outubro 2019

Nem só de extremismos vive o homemAna em 29 de Outubro 2019

A Gaffe vê uma históriaGaffe em 29 de Outubro 2019

The World’s Worst Translator | Alternatinoloucasereia em 29 de Outubro 2019

coesão territorial e as bibliotecas ambulanteshistoriasabeirario em 28 de Outubro 2019

Para memória futurajosé simões em 28 de Outubro 2019

Um milhão de idiotas?manuelcastro em 16 de Outubro 2019

delicadezas de estiloCecília em 28 de Outubro 2019

Bookinices acinzentadas do mêslivrologia em 26 de Outubro 2019

A democracia do absurdolivrologia em 26 de Outubro 2019

Começa o circojosé simões em 25 de Outubro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #7: Compota de abóbora e amêndoabelinhafernandes em 25 de Outubro 2019

Desafio dos pássaros #7-A Máscara Capilar e a Compota de Abóbora com amendoaInês Norton em 25 de Outubro 2019

#127 | Desafio de escrita dos pássaros #7ossapossabembeijar em 25 de Outubro 2019

Desafio dos Pássaros #7A 3ª face em 25 de Outubro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #7Dona Pavlova em 25 de Outubro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #7livrologia em 25 de Outubro 2019

PombasRita em 25 de Outubro 2019

(sem título)Vorph Valknut em 25 de Outubro 2019

A pergunta do diajosé simões em 25 de Outubro 2019

A Gaffe sem lerGaffe em 23 de Outubro 2019

#Outubro Rosa | O cancro contado em primeira mãoTita Vicente em 24 de Outubro 2019

Uma hipótese a considerar?josé simões em 21 de Outubro 2019

Ensino Integrado com Desporto, já!amarquesademarvila em 18 de Outubro 2019

O medo da diferençaMAG em 21 de Outubro 2019

CrepúsculoMaria em 20 de Outubro 2019

Ideias feitasCristina Nobre Soares em 21 de Outubro 2019

Pobreza*quintaemenda em 18 de Outubro 2019

A Gaffe do JokerGaffe em 20 de Outubro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #6livrologia em 18 de Outubro 2019

Manuel Bandeira e as cartas trocadas com Clarice Lispectorlivrologia em 20 de Outubro 2019

Ditos e Ditados Populares @ CXXIMiluem em 20 de Outubro 2019

#Desafio dos pássaros 6# O Amor, uma cabana e um frigorífico ( feat, R.Strauss)jazzistica em 19 de Outubro 2019

Tema 6 - O amor, uma cabana...e um frigoríficoredonda em 18 de Outubro 2019

A maturidade da natureza!bikeazores em 16 de Outubro 2019

Presoexisteumolhar em 16 de Outubro 2019

Fotografia e não só.naomedeemouvidos em 16 de Outubro 2019

A Gaffe já sabe lerGaffe em 16 de Outubro 2019

Li e gostei!!!Miluem em 15 de Outubro 2019

sumidadevistodemacau em 16 de Outubro 2019

Falar na solenidade da etiqueta do chálivrologia em 15 de Outubro 2019

O PÓS-GERINGONÇA, A TRISTEZA E O CATETERISMOJ.J. Faria Santos em 15 de Outubro 2019

Da indigênciajosé simões em 14 de Outubro 2019

Manuel Bandeira sentado num sofá com Cecília Meireleslivrologia em 13 de Outubro 2019

Cecília Meireles | O amor por Fernando Correia Diaslivrologia em 14 de Outubro 2019

Ciclista profissionalbikeazores em 14 de Outubro 2019

Máscara de fériasAtrás do balcão em 14 de Outubro 2019

Tiro ao LivreEremita em 13 de Outubro 2019

A Gaffe dos novos parlamentosGaffe em 10 de Outubro 2019

Turistas.naomedeemouvidos em 10 de Outubro 2019

Sobre gaguezes.naomedeemouvidos em 11 de Outubro 2019

O QUE "FAZIA AMOR"o Cardeal em 17 de Agosto 2019

Desafio de escrita dos pássaros #5 - Engarrafamento no purgatóriobelinhafernandes em 11 de Outubro 2019

Desafio da escrita dos Pássaros #5Magda L Pais em 11 de Outubro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #5Nuvem em 11 de Outubro 2019

desafio de escrita dos pássaros #5Catarina em 11 de Outubro 2019

Há uma gaga no parlamento e vários idiotas fora dele!amarquesademarvila em 10 de Outubro 2019

Dia Mundial dos Cuidados Paliativos 2019MJP em 9 de Outubro 2019

O Meu Querido Paizinho faz hoje 91 anosumapepitadesucesso em 9 de Outubro 2019

O day afterjosé simões em 7 de Outubro 2019

E se o voto do “Chega” não vier da Direita?A woman in politics em 7 de Outubro 2019

Os livros que (não) envelhecemRicardo Nobre em 7 de Outubro 2019

Como aumentar a participação pública dos portugueses?candida_pinto em 7 de Outubro 2019

(sem título)historiasavulso em 7 de Outubro 2019

O dia de um escrutinadorPedro em 7 de Outubro 2019

A RAINHA SENTADA NO TRONO DA SUA VOZJ.J. Faria Santos em 6 de Outubro 2019

Amáliaquintaemenda em 6 de Outubro 2019

Na lavandaria.diariodeumadesarrumada em 6 de Outubro 2019

Manifesto # 59pelasombra em 6 de Outubro 2019

Apelos ao voto*quintaemenda em 4 de Outubro 2019

Declaração de votoRicardo Nobre em 6 de Outubro 2019

patriotismo de bancadaCecília em 5 de Outubro 2019

A Cultura da Bicicleta!bikeazores em 4 de Outubro 2019

(sem título)notasderodacorpo em 27 de Setembro 2019

4ª Temporada - O Todo BonecoComandante Guélas em 5 de Outubro 2019

NostalgiaToze em 4 de Outubro 2019

Amazonascontanatura em 5 de Outubro 2019

a babysitter | desafio de escrita dos pássaros #4rainyday em 4 de Outubro 2019

Desafio De Escrita Dos Pássaros#4Ana em 4 de Outubro 2019

Desafio de escrita dos pássaros #4Maria Sá em 4 de Outubro 2019

desafio de escrita dos pássaros #4imsilva em 4 de Outubro 2019

nem são rosas, senhor, nem são penasallaboutlittleladybug em 4 de Outubro 2019

Cancro da Mamaestan em 3 de Outubro 2019

Zé do Mundo, que belezaMaria Sá em 3 de Outubro 2019

Freitas do Amaral (1941-2019).Luís Menezes Leitão em 3 de Outubro 2019

Das condutas democratas. E democráticas.naomedeemouvidos em 3 de Outubro 2019

José Hermano Saraiva morreu há cinco anosRicardo Nobre em 20 de Julho 2017

Tintesimsilva em 3 de Outubro 2019

Alguma coisa muito antiga deve haver no fundo da nossa almalivrologia em 3 de Outubro 2019

Bernardo Silva: Não Seremos Todos Racistas?Filipe Vaz Correia em 3 de Outubro 2019

Vamos Alongar?Luísa de Sousa em 2 de Outubro 2019

Premio Nobel desmiente Calentamiento GlobalAlbertino Ferreira em 2 de Outubro 2019

Outubro Rosa 2019diarioanticancro em 2 de Outubro 2019

Salva-vidasMiguel Bastos em 1 de Outubro 2019

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 02:11

Brexit in

Irlanda do Norte... out?

por Sarin, em 17.10.19

B7EB8A62-E606-4D81-8280-917A9BDDDC64.jpeg

Boris Johnson prometeu encontrar um acordo para o Brexit sem comprometer o Acordo da Sexta-Feira Santa, garantindo assim sair da UE sem criar fronteiras físicas entre as Irlandas.

E cumpriu. Pegou no acordo conseguido por Theresa May que ele mesmo havia contestado e eliminou-lhe a união aduaneira do Reino Unido com a UE, garantindo a Londres liberdade para negociar os acordos comerciais que entender.

O problema é que Boris tirou a fronteira da Ilha da Irlanda e colocou-a ali mesmo ao lado, no mar que também se chama da Irlanda. Que é como quem diz, tirou as fronteiras da soleira e colocou-as dentro de casa. Porque, com a proposta de Johnson, a Irlanda do Norte fica sujeita às regras da União Europeia mas integrada no espaço aduaneiro do Reino Unido, que será o único responsável pelos controlos alfandegários. Confuso? É. 

E os nacionalistas irlandeses, até aqui apoiantes de Johnson, não estão confortáveis com a solução encontrada... um reino, dois sistemas?

O Parlamento Britânico terá ainda de aprovar este acordo. Se conseguir.

Entretanto na União Europeia Comissão e Conselho aplaudem aprovam aplaudem e já só esperam que o divórcio se consuma sem nos consumir de cansaço ou de outra coisa qualquer.

 

imagem: Estudo Prático

 

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 19:45

Onde ideias-desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor.


Obrigada por estar aqui.





logo.jpg




e uma viagem diferente



Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D