Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ilhas-Virgens-Britanicas-1.jpg

 

Estive afastada uns dias. Não foram férias, mas foram férias das notícias. E quando volto, neste Verão envergonhado com tanta falta de vergonha, deparo-me com esta história da ES Enterprises, o think tank dos BESt entrepreneurs vulgarmente conhecida como Saco azul do BES, a financiar a recandidatura de Cavaco Silva. Cavaco Silva, lembram-se? Sim, esse mesmo

E na leitura da notícia fico, assim de repente porque ainda em aquecimento, com três dúvidas incómodas:

1) Financiou ou suspeita-se que terá financiado? Para não variar, em vários jornais o título difere do corpo da notícia nestes nada pormenores;

2) A campanha ter sido financiada implica conhecimento do ilícito por parte de Cavaco Silva? Não gosto do sujeito político, acho que foi um muito mau Primeiro Ministro e um péssimo Presidente, mas o desprezo político não me impede a indignação com a suspeição assim lançada sobre o nome do cidadão;

3) Se está em investigação no DCIAP como é que a revista Sábado teve acesso, os documentos estão abertos a consulta pública? Não me convence, aquela frase "Explica a Sábado que, no decurso da sua investigação a estes donativos, apercebeu-se que “o alegado financiamento a Cavaco Silva também está sob escrutínio no DCIAP”".

 

Claro que nada mais posso fazer do que apontar as dúvidas e incongruências das notícias, reservar as minhas suspeições e aguardar como aguardo nos outros casos em que a Justiça está metida ao barulho - e sim, barulho, ruído, é exactamente disso que aqui se trata: perceber onde começa a notícia e acaba o ruído, ou vice-versa. 

 

Por falar em Justiça, anda aí uma grande, enorme polémica que, desconfio, me dará para alguns postais... e eu que contava com as temperaturas mornas desta silly season para, finalmente, fazer praia!

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 14:50

231AC9AA-D2ED-4678-8760-141F0BB8F9E0.jpeg

 

A propósito da demolição do edifício conhecido como Prédio Coutinho, tenho lido muitas vozes indignadas contra a autarquia e a favor dos dos moradores, menos vozes contra estes. Bom, eu serei uma destas.

 

O edifício foi autorizado em 1972, licenças e condições e tudo o exigido à data.

Logo em 1975 se apontou a inadequadação do edifício, dada a altura e o meio envolvente. Desde então várias foram as tentativas para corrigir aquilo que, nitidamente, é um monstro urbanístico. Chegaram até a tentar reverter o número de pisos para metade; mas alguns dos moradores, cientes talvez da paisagem e do sossego de que usufrem lá nas alturas e da centralidade quando descem à rua, têm recusado todas as abordagens.

 

Aparentemente, e contrariando o que muitos escreveram e escrevem, os moradores tiveram várias propostas de aquisição e realojamento - diz o Jornal Económico que 1,9 milhões de euros estão ainda disponíveis para levantamento. Não conheço o mercado imobiliário em Viana do Castelo, mas 200.000€ em Leiria compram um bom apartamento e com condomínio moderado - a electricidade e a manutenção dos elevadores são parcelas pesadíssimas, e num prédio de 14 pisos não deverá ser pequena. [Por falar nisso, estará o contrato de manutenção em vigor? E se não, usam os elevadores em clara violação da lei? Pormenores...]

Assim, temos de um lado uma autarquia que pretende adequar a paisagem, o centro da cidade e o meio envolvente, e do outro 9 idosos que se recusam sair da casa onde vivem há quase 50 anos. Tudo indica que serão os mesmos que têm recusado qualquer alternativa desde que a "casa cheia de memórias" cheirava a tinta e a memórias nenhumas.

 

Não defendo que o bem maior sirva para atropelar arbitrariamente os direitos individuais. Mas viver em sociedade obriga a algumas opções em nome da comunidade e em detrimento do indivíduo.

 

E pergunto: se uma obra agride notoriamente o meio envolvente, não deve ser demolida? Deixamos perpetuar o erro ou, talvez, o favor de um funcionário camarário, chefe de gabinete, secretário de Estado, ministro do Ambiente?

 

Sei que é moda não responsabilizar quem autoriza tais atrocidades em Portugal. Que construir diferente do que está autorizado vale a pena, o dono da obra paga uma coima e a obra segue. Mesmo que construída fora de zona urbanizável, embarga-se a obra até mudar o PDM ou mudar quem a autorize. E assim seguimos com moradias em arribas, com edifícios industriais em bairros habitacionais, com prédios desmesuradamente altos nos centros urbanos, com moradias  em locais isolados e depois ai os deuses quem acode se sem saneamento sem acessibilidade sem segurança, e o erário público que não seja púdico e pague.

Se acabamos por pagar, prefiro pagar para corrigir o erro.

 

 

imagem recebida há muitos anos por email; desconheço o autor, mas agradeço-lhe o registo de algo que também eu vi no acesso à A15 em Rio Maior

[Cuidemos de todos cuidando de nós: Etiqueta respiratória. Higiene. Distância física. Calma. Senso. Civismo.]
[há dias de muita inspiração. outros que não. nada como espreitar também os postais anteriores]

Autoria e outros dados (tags, etc)

lançado às 19:34

Onde ideias-desabafos podem nascer e morrer. Ou apenas ganhar bolor.


Obrigada por estar aqui.


Pág. 4/4




logo.jpg




e uma viagem diferente



Localizar no burgo

  Pesquisar no Blog



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Cave do Tombo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D