Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sem qualquer gafe. Pela Gaffe

por Sarin, em 31.01.19

Nota-se que algo de diferente se passa com este blogue... passa, não, não passa, veio para ficar: a imagem.

Desde ontem ao fim do dia que este burgo tem uma outra definição, uma outra apresentação... sim, tem um conceito! Avisei que um dia se encontraria o conceito ao blogue... 

E desde ontem o blogue já tem um conceito, e não fui eu que o encontrei.

Não foi distracção minha: sigo as ideias, os objectivos, e nunca paro para ver a imagem que reflicto nos outros. Atenta sempre às suas reacções, eventualmente adequo a minha postura às suas sem me perder de mim, dos meus valores  - e não me detenho na imagem que deixo pois não sou eu quem interessa, é a mensagem.

Talvez por isso tenha sido surpreendida pela imagem que vejo neste blogue e que é tão minha, tão eu ...  vista por outra alma.

Vista por uma delicada artista que domina a palavra como domina o desenho, se é que pode dominar o que lhe nasce vibrante na indómita inspiração, na profunda visão que lança sobre o mundo enganando quem a confunde com a capa que displicente tem aos ombros.

 

Falo de uma Ruiva que, pese o nom de plume que adoptou, apenas será gafe para quem percorra as suas avenidas distraído. Uma daquelas almas com a qual me cruzei por acaso e nesse cruzamento nos quedámos presas num comum entendimento, irmanadas no gosto pela palavra pelos princípios pela arte pela humanidade.

Gozo a felicidade de contar na blogosfera com esta mulher forte decidida elegante que por aqui se chama Gaffe. Visito-a frequentemente no seu A Gaffe e as Avenidas, reencontro-a no nosso Rasurando, reconheço-a em blogues que me são caros pelos autores e onde a sua sensibilidade e a sua arte os ilustram para lá da palavra - como neste meu pequeno burgo, inundado assim pela sua percepção de mim.

Aqui e assim gravada numa imagem que nunca conseguiria replicar, ainda que tivesse o seu dom.

Um grandenorme obrigado a esta maravilhosa Gaffe!

 

Que, pela imagem traçada, conseguiu levar-me a abandonar o laço que há anos usava. E que vai passar a estar agora na coluna lateral.

Laço Rosa.jpg

Porque as lutas não mudam só porque temos um vestido novo...

... e como eu gosto do meu!

avatar.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os segredos numa Caixa

por Sarin, em 30.01.19

F4647F52-0999-41A2-B85A-63835B4331C4.jpeg

 

Em menina, perdia-me numa caixa preta lacada, pinturas estranhas e incrustações de madre-pérola... onde, além da bailarina que rodopiava na plataforma de espelho e do Danúbio Azul que com ela ondulava, havia umas funduras onde dormiam brincos e pulseiras e colares, coloridas saudades trazidas na mala de guerra, 2 anos perto do Índico em vez de aqui connosco à beira-Atlântico porque o Império assim mandava. O guarda-jóias era da minha mãe, a mala do meu pai, meu o tempo assim esquecida do tempo naquela caixa.

Não eram os colares que me atraíam. Eram a bailarina e a música quase etéreas, eram as sementes e as madeiras e os vidrilhos cheios de cores e cheiros e sonhos exóticos... e era a gaveta de segredo, descerrada por um alfinete tocando um ponto que mal se notava no vermelho acetinado do forro.

Longos minutos embevecida a mirar as maravilhas naquela caixa, daquela caixa.

 

Esta Caixa? Nada a ver, só os segredos e o tanto mas tanto ainda por saber!

Autoria e outros dados (tags, etc)

CSM, mais tarde que cedo

por Sarin, em 30.01.19

95168C51-287D-40D0-9806-BCD73C6BA4B1.jpeg

 

Os juízes

são independentes.

 

O Conselho Superior da Magistratura

CSM

é o regulador dos juízes.

 

O CSM diz

que não se pode meter

nos assuntos jurisdicionais. 

Só após queixa.

 

O CSM

assume uma posição.

 

Alguns juízes

têm medo

de perder a independência.

Ou talvez o poder.

 

O tempo passa.

passa.

passa.

E continua a passar.

 

Finalmente,

no CSM

perdem o medo

ou ganham vergonha.

Mas nem todos...

 

Afinal,

o juiz Neto Moura

talvez escape:

Questão de tempo.

 

 

O tempo é como a roleta:

geralmente

sai a favor da casa.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

george_herbert_por_falta_de_um_prego_perdeu_se_uma

Imagem retirada do Pensador

 

 

Em Nova Iorque, uma empregada doméstica ficou presa durante 3 dias num elevador, na casa dos seus patrões que haviam saído de fim-de-semana.

Não sei se há muitas casas com elevadores particulares em Portugal.

Não sei se há muitas famílias em Portugal cujas empregadas pudessem ficar presas nesse elevador durante 3 dias sem que ninguém se apercebesse.

Mas sei que em Portugal os elevadores são obrigados a inspecções de segurança de dois em dois anos.

E sei que os elevadores em Portugal são obrigados a ter botão de emergência. Com ligação 24h à central responsável pelo contrato de manutenção no caso de elevadores públicos.

Queixamo-nos dos custos, queixamo-nos das leis que nos obrigam a ter mecanismos de segurança, nos elevadores como nos automóveis ou nos equipamentos com que lidamos no dia-a-dia... mas a verdade é que tudo o que tem a ver com segurança de equipamentos não é exagero. Pode é ser exageradamente cara, e isso terá talvez mais a ver com a cartelização de preços do que com o custo efectivo, portanto, matéria para o regulador avaliar. Ah, sim, esqueci-me que o regulador é o mercado. Que compra e cala e esquece e não faz manutenção e até bloqueia os mecanismos de segurança porque é uma chatice quando disparam e param o equipamento.

 

A empregada que deu mote a este postal perdeu 3 dias da sua vida presa num elevador porque este, aparentemente, não teria botão de emergência funcional. Saiu desidratada, provavelmente com trauma, felizmente com vida. Porque os patrões só foram passar o fim-de-semana fora. Tivessem tirado toda a semana e a história teria talvez um desfecho dramático. Por falta de um botão que custará 200€, preços de Portugal.

Também por falta de uma tampa cujo preço não será superior a 200€ caiu Yulen num poço e nesse poço morreu aos 2 anos, ainda este mês.

E quantas mais semelhantes histórias por aí.... 

 

Para poupar uns míseros tostões? Ou porque a segurança é matéria que apenas preocupa em caso de tragédia? Infelizmente, penso que seja uma combinação das duas, corta-se no custo com segurança porque, afinal, é só uma coisa para chatear...

Confesso que, de todos os sistemas de gestão com que lido profissionalmente, o que mais me irrita é o de Segurança no Trabalho. Não pelo sistema, mas pela necessidade constante de alertar para as questões da segurança. A auto-preservação é intrínseca à nossa condição de animais, caramba! E ainda somos animais suficientemente irracionais para não racionalizarmos os instintos de ataque ou fuga. Mas se racionamos uns mecanismos de segurança e ignoramos outros, então talvez a revolução industrial tenha sido mais rápida do que a nossa evolução animal e ainda precisemos de muitos acidentes evitáveis para que a segurança dos equipamentos nos seja instintiva.

Eu não quero ser um desses acidentes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

"O Eduardo Louro diz que o tamanho importa, e não serei eu que contestarei. Mas acrescento, não ao tamanho mas à questão: qual o tamanho desejável?"

 

Começa assim o meu postal de hoje no Rasurando.

Apareçam.

logoRasurando.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Coordenadas Internas:

Do Bairro da Jamaica

por Sarin, em 28.01.19

 

 

Nunca lá fui. Nem tenciono ir: não tenho familiares ou amigos que lá morem, não tem nenhuma atracção cultural, portanto não tenho motivos para conhecer ou visitar um bairro cuja existência desconhecia até há pouco.

Ouvi falar dos confrontos entre moradores, que teriam acabado  em confrontos com a polícia.

Nestas coisas nunca ligo muito a quem provoca o quê, porque o ruído é ensurdecedor. E desta vez foi desastrosamente ensurdecedor. Foi o vozear dos que não estiveram envolvidos mas que gritaram muito alto que tinham sido confrontos por motivos racistas, tão alto gritando que abafaram a voz dos moradores, dos que lá estiveram, e que diziam que não, que não foi discriminação, foi abuso de força - o que, não sendo bom, não é tão mau.

Também houve o ruído por causa da Língua Portuguesa, que bosta tanto pode ser substantivo como adjectivo - e há por aí muitos sujeitos não substantivos cujo objectivo é adjectivar tudo e mais alguma coisa que lhes possa dar visibilidade. De um assessor espera-se mais fluência, mas quem nunca borrou a pintura que atire a primeira nódoa. Já nódoas como as gentes que insultam por não perceberem português e perseguirem objectivos racistas além de perseguirem outras gentes, nódoas dessas podem atirá-las para um canto e lá as deixarem esquecidas, bafientas, sujas.

Nódoas de todas as cores, essas que perseguem e as que filmam a polícia que dizem vai "ser agora, vai ser agora" enquanto focam alguém virado para a polícia, desfocam e voltam a focar quando o polícia está já envolvido num corpo-a-corpo, o que foi dito e feito entre uma imagem e outra não sabemos mas ouvimos distintamente a antecipação do confronto, "é agora, é agora" qual director de cena preparando as claquetes.

E também houve o ruído daqueles que têm bairros de porto-rico e bairros das honduras nas respectivas autarquias mas aproveitam para apontar o dedo à autarquia, que quem não gosta de reggae não é bom político e o Bairro da Jamaica sempre é de outro caribe.

Caribe sem carimbo, como todos os bairros ilegais, e este é ilegal muitas vezes, desde obras abandonadas a terrenos hipotecados e deixados ao abandono.

 

Estando o ruído mais calmo, aguço o olhar e vejo

* Que os problemas da violência policial se dissiparão quando cada agente tiver uma câmara de filmar no bolso, a protecção de dados que se arranje com esta solução.

* Que o problema dos bairros ilegais não pode ser tratado como um problema dos municípios, a habitação é um direito constitucional que implica deveres - dos cidadãos e do Estado. Tratar um bairro ilegal como legal, com saneamento básico e luz, será avalizar a ilegalidade em terrenos particulares, deixar 1200 pessoas viverem sem saneamento básico é uma questão de saúde pública, uns endividarem-se para pagar a casa e outros terem casa gratuitamente é injustiça social, garantir abrigo a famílias sem tecto é dever humanitário. Não é simples, e resumir esta questão a "vontade política" é ser desassombradamente hipócrita.

* Que a câmara do Seixal começou a reintegração de 200 famílias em 2018; desconheço os trabalhos que foram desenvolvidos, mas a reintegração começou antes dos confrontos pelo que os ataques partidários dizendo que a autarquia nada fez são falsos. Quando muito, terá feito muito pouco ou muito tarde; mas, e como disse antes, os bairros habitados ilegalmente não são mera questão de vontade política.

* Que os partidos e os seus actores directos nestes ataques à polícia, precipitados e mesmo antes de saber o que se passou, deviam ser responsabilizados política e criminalmente. Só assim conseguiremos acabar com a irreflexão. 

* Que a comunicação social devia ser criminalmente responsabilizada por esta vergonha desinformativa, responsável que é pela exaltação de uma ou outra perspectiva em detrimento dos factos e com as consequências que já conhecemos.

 

Quanto aos cidadãos, apenas vejo que muitos continuam a preferir embarcar de ouvido e destruir do que pensar e construir. Apenas posso desejar que cresçam, amadureçam, sejam cidadãos de plena consciência em vez de joguetes de interesses vários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Trouxe o Limahl à colação...

por Sarin, em 28.01.19

Lembram-se dele? Aquele que cantava uma canção (para mim) um bocado monótona sobre uma história interminável, e fazia umas caras absolutamente desconcertantes, mesmo de quem está ali mas tem melhor sítio para estar...

 

Pois é. Por isso mesmo me lembro dele e desta música quando penso na Democracia Representativa que temos, e na que podíamos e devíamos ter.

Como fiz hoje. No Rasurando.

 

7F80ADE4-B2DA-44A0-B106-C8DB3336AF16.jpeg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Coordenadas Internas:

It Musk have been love

por Sarin, em 24.01.19

849297D7-4DAD-45EA-A842-20714D92BF2F.jpeg

imagem retirada do pplware

 

 

Elon,

is it you they're looking for?

'cause i wonder where you are,

but they wonder what you dooooo...

 

Deixando Lionel Ritchie e os Roxette em paz, coisa que esta gente não consegue fazer quando o assunto envolve Elon Musk, parece que o esquema agora é investigar para onde é canalizado o dinheiro doado pela Fundação Musk.

Não me choca que uma fundação doe dinheiro para projectos que o seu fundador acarinha e nos quais está pessoalmente envolvido.

Como fazem tantos outros, alguns dos quais compram o direito de ter os seus nomes em monumentos e edifícios públicos de utilidade social ou cultural beneficiários da sua caridade.

Financiamento ilícito não será, afinal a Fundação é privada e doa a quem os seus administradores entenderem. Falta de transparência também não, o mecenato é figura jurídica e fiscal bem conhecida em ambos os lados do Atlântico Norte...

Não sou adepta de teorias da conspiração, mas nem no Jornal Económico nem na sua fonte, The Guardian, avançam qualquer motivo para desconfiança, acrescentando até o The Guardian que nada disto é contra a lei sendo mesmo habitual entre os milionários. Então, Onde e A Quem levanta dúvidas?

 

Assim de repente, para origem de tal artigo parece sobrar o medo. O medo do fim da hegemonia da NASA, do fim da hegemonia do petróleo, do fim da hegemonia da investigação com patentes elevadas e royalties absurdos. Uma pressãozinha adicional, portanto, para poderem cair em cima de Musk.

Isso, e no Jornal Económico continuarem a ser sensacionalistas, apesar de o seu director escrever vários artigos em sentido contrário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quase me esquecia...

por Sarin, em 24.01.19

... de partilhar que hoje falo sobre a liberdade de expressão. De onde surge e como se manifesta no vestuário, na arte, no diz-que-disse... e pergunto se há limite, e se há...onde está. E até onde pode ir o Estado na sua definição... enfim, está lá muito sobre o tema.

No Rasurando, claro.

Onde o meu postal de hoje já estará há uma horita, mas... esqueci-me de vos avisar!

Felizmente há por lá muito mais que se leia, e acredito que já o espreitaram hoje.

 

7F80ADE4-B2DA-44A0-B106-C8DB3336AF16.jpeg

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Coordenadas Internas:

A Madeira declarou a independência?

por Sarin, em 23.01.19

4B73BB98-8066-4C97-BD62-B77AD431BDB4.jpeg

Câmara Municipal do Funchal

imagem retirada do visitarportugal.pt

 

 

A Madeira declarou a independência? Ou talvez apenas o Município do Funchal?

Só uma destas opções justifica que o Presidente de tal município tenha tomado uma posição oficial sobre a Venezuela.

 

O Maduro pode ter condicionado as eleições, como tudo parece indicar, ser um ditador e até um cruel verdugo...

... o Cafôfo pode ter opinião sobre a matéria, pode expressá-la e até fazer campanha em plena praça da cidade... 

... e os emigrantes venezuelanos podem ser maioritariamente madeirenses, e merecerem o apoio público dos seus autarcas...

... mas:

O edifício da Câmara Municipal pertence ao Estado, e tudo o que nele é feito pelos legítimos representantes do Poder Local é feito pelo Estado.

E os responsáveis pelas políticas internacionais do Estado continuam  a ser o Ministério dos Negócios Estrangeiros e a Presidência da República.

 

Apenas eu me sinto indignada por esta usurpação de funções, por este abuso?

Ninguém pede explicações?

Ninguém condena o acto?

 

Haverá os que concordarão, porque, enfim, trata-se de afrontar Maduro...

Mas Maduro deve ser enfrentado, não afrontado.

E certamente não deve ser nem uma coisa nem outra por alta recreação de um representante do poder local que ignora os seus limites. O meu Estado não merece ser afrontado!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Obrigada por estar aqui.


Pág. 1/3




logo.jpg



Localizar por cá

  Pesquisar no Blog



Memórias

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.